Será que x86 consegue manter o domínio de arquitetura para notebooks?

Nos últimos anos fiquei intrigado com os processadores arm64 que foram ganhando mercado para notebooks principalmente devido ao Apple Silicon e Snapdragon.
Eu fiquei muito feliz que uma nova arquitetura surge para esse mercado trazendo benefícios em termos de consumo de energia, eficiência e performance. Sempre me anima esse tipo de competição. A AWS criou uma linha de produtos EC2 Graviton com servidores Arm64 que cheguei a usar, são mais baratos dado menor consumo de energia e atendem bem.
Mas as últimas versões de processadores intel gen 13 para cima parecem estar virando o jogo ou pelo menos conseguindo equilibrar na questão eficiência já que na de performance parece ser melhor ainda ir para o caminho x86.
O que acham a respeito?

Boa semana!

O titulo está meio errado… porque x86 já é usado desde 1990 nos notebooks… hahaha

arm64 ainda deve demorar um tanto pra se estabelecer com notebooks não Apple… pela falta de Windows. (Linux? Já tem uns 30 anos e ainda não virou ano do Linux. hahaha)

Tipo… a Apple fez umas comparações bem porcas… o M1 até era eficiente, mas o M2 em diante… tá comendo tanta energia quanto um 14900KS (as versões mais parrudas do M2/M3)…

1 curtida

Verdade, obrigado,eu vou tentar alterar o título. Eu queria me referir a tendencia e não ao mercado real absoluto. Eu digito rápido aqui no smartphone e não tomei cuidado com as palavras. Mas isso mesmo… eu acho que a partir da 13a geração a intel talvez pela pressão desses concorrentes teve que se mover de forma a trabalha mais na questão energética. Estou com essa impressão, de que sacudiu um pouco a indústria (M1/2/3 e snap 7 e 8cx). Valeu!!

Levando em conta que os processadores top de linha da Intel estão consumindo 400W (apesar do TDP de 125W, o 14900KS parece consomir até 400W), acho dificil falar que estão tão eficientes energéticamente…

O Ryzen 9 7950X deve ser tão rápido quanto e consome “apenas” 230W…

1 curtida

Minha impressão é que não.

x86 decolou por ser mais performático anos 80, já que os processadores ARM estavam focados em eficiência, e por estar no mercado a mais tempo.

Em 2024 essa diferença até pode existir se compararmos M3 Max ou Snap 8cx vs Ryzen ou Intel, mas se torna irrelevante para 90% do público (Ignorando otimizações feitas, eu por exemplo, uso um M3 Pro e acho ele mais rápido que o Ryzen do meu colega, no contexto de desenvolvimento web).

Dito isso, eficiência energética é MUITO importante para um notebook, e é preferível ter 30% a menos de performance e 50% a mais de bateria. (numeros tirados da minha cabeça :joy:)

Você mencionou servidores, acredito o mesmo argumento seja válido, Graviton é potente o bastante pra rodar seu app e ainda economizar a conta de energia da AWS/Oracle (essa te dá uma instância ARM gratuita by the way), dada a sua escala.

1 curtida

Essa afirmação é ligeiramente vaga. Ainda mais que o primeiro Ryzen foi lançado à pouco mais de 7 anos. (7 anos e 1 dia). Mac OS vs Windows? Linux? FreeBSD? ChromeOS? O Windows vs qualquer coisa (exceto Ubuntu com a interface 3D) faz o outro lado parecer mais otimizado. hahaha

Sim, e nisso é importante. Mas parece que o 8cx Gen 4 tinha problema de consumo energético elevado, ou to viajando?

Só sei que, eu queria um laptop com arm pra instalar FreeBSD e ficar sem Windows por uns tempos. (O problema é que a maioria tem memória e SSD soldados…)

Ah sim, não tenho números nem benchmarks, só uma ligeira impressão.

Quando comparamos, tinha Macbook Pro i9, M1 Pro, M2 (base), M3 Pro, e o Ryzen desses últimos, não sei o modelo exato. E sim, o Ryzen rodava Ubuntu. Então tem muitas variáveis e não da pra afirmar que o M3 é mais rápido em tudo ou mais rápido que todos os Ryzen.

Contudo, no contexto da empresa (software, SO e app desenvolvido, que foi nosso benchmark) ele compilou mais rápido. Inclusive, tem um post no 9To5mac reportando isso.

Interessante Gabriel, colocando o público geral na jogada faz todo sentido uma arquitetura mais focada em eficiência energética já que a capacidade computacional está alta em ambas arquiteturas e atende bem.

O X86 aliado a boas GPUs pode ficar no nicho gamer, eu também tenho preferência pela duração da bateria.

Sou desenvolvedor e minha stack já é totalmente suportada em arm, estou com o M1 8GB Ram e um i7 8550 20GB Ram com o mesmo ambiente de desenvolvimento em ambos. Sei que não é justa a comparação dadas datas de lançamento de cada onde o i7 é bem mais velho, mas o M1 2020 tem é muuuuito mais rápido em tempo de compilação noto principalmente no Android Studio.

Até o fim deste ano terei que fazer um upgrade e adquirir um novo notebook por isso estou nessa dúvida… se vierem mais opções de notes arm64 com Windos ou Linux seria muito bom, ou se os x86 Intel ficarem mais eficiêntes. :crossed_fingers:

x86 decolou por um misto de sorte e boas decisões. Se a IBM tivesse escolhido outra CPU pro 5150 (o primeiro IBM PC), a gente poderia muito bem estar usando computadores baseados no Motorola 68000 ou alguma outra coisa.
Also, a arquitetura ARM só foi criada aí por meados dos anos 80, tarde demais, e só começaram a licenciar a arquitetura muito mais tarde.

Até por que pra conseguir uns poucos 0,1 GHz a mais pra poder dizer que são mais rápidos fazem essas monstruosidades. Se usar essas CPUs em clocks mais razoáveis, a eficiência energética aumenta bastante.

Metade do problema do Windows em ARM é que a tradução binária do Windows não é tão boa quanto o Rosetta 2 da Apple. A outra metade é que os SoCs da Qualcomm até agora (quero ver como o X Elite vai ser, parece promissor) são fracos demais.

Mas não é como se não desse pra fazer x86 eficiente, diabos, foi exatamente por isso que a Apple mudou pra Intel quase 20 anos atrás, e não vamos esquecer das aventuras da Intel com os Atom pra celulares, e os Intel Alder Lake (especialmente o N100) são bem falados também nesse aspecto.

1 curtida

Agora, basta saber quem compra i9-1x900KS para pensar em eficiência energética. hahaha

3 curtidas

nem se quer lembra disso kkkkkkkkk na verdade lembra, quando quer a placa de vídeo e tem que olhar a fonte, ai tem olhar o tanto que gasta a linha ks

@leonardoroese sobre a sua questão e além do que a galera já falou.

atualmente acho que não, a evolução do ARM ainda faz não bater de frete com x86, isso sem levar a consideração da Apple. A Apple conseguiu bater de frente, mas está fechado no mundinho dela, tem a versão linux, mas pelo que vi, conseguiram rodar, mas tá tendo alguns probleminhas ainda, acho que daqui até dois anos já resolveram

futuramente, vai depender da evolução, os ARMs e AMD vêm evoluindo, a Intel dormiu por anos, acordou tem um tempo e criou bons processadores a partir da 12 geração e está diminuindo a litografia bem mais do que antes. Aquela descredencia do Chip M1 com os concorrentes hoje em dia nem se fala mais.

O problema mesmo que vejo são dois, os programas no Windows serem passados de x86 para ARM e quando ARM passa x86, a empresa que tem mais chance de dominar é a Qualcomm, e a Qualcomm como empresa fazem Intel e Nvidia parecem santas

1 curtida

Entendo que a Apple tenha apostado nessa arquitetura e não pense em abandonar tão cedo o barco e nem ficar atrás dos concorrentes. Por isso vejo a Qualcomm investindo nessa linha.
Legal essas informações que estão trazendo.
Acho difícil mesmo até o fim do ano eu colocar as mãos em um arm64 com windows ou Linux,por mais que eu queira, mas do jeito que as coisas andam vai saber né hehe.

1 curtida

Problemas de compatibilidade com hardware, periféricos ou GUI? Pq no mundo do servidor, Linux suporta ARM há muito tempo. O Arch linux suporta ARM desde 2002.

Talvez esteja se referindo ao Asahi linux, que roda em Macbook, aí faz sentido. Pq rodar linux em processadores Qualcomm não deve ser tão complicado, visto que é a mesma arquitetura de um processador de smartphone, que já roda Android que usa o kernel do linux.

1 curtida

Asahi linux mesmo, estava falando sobre o chip da Apple

6a feira passada eu comprei um notebook para estudos (Samsung Galaxy Book Go) e o Processador dele e o Snapdragon 7C Gen 2. Apesar de que falam que ele e limitado (eUFS 128gb) quando o Windows 11 instalado tem bem pouco espaco para outros programas. Ele vem com o Office 365 Personal. E como eu ja tinha uma licenca do MS 365 Personal para 2025 ele prorrogou o vencimento da licença para 2026. (2 anos de office 365) Estou gostando bastante. Uso para estudar. (Vou levar todos os dias para o trabalho e estudo na hora do almoço) Comprei porque eu tenho um Lenovo 3i que e pesado e grande para carregar na mochila. Eu usava o Tablet (Galaxy Tab S5e) mas eu acho ele pequeno e limitado para ver algumas coisas. Entao eu queria uma coisa maior (tela grande) que eu pudesse estudar e ler PDFs.

1 curtida

Tenho minhas dúvidas, por que o Android até usa kernel Linux, mas muitas das abstrações por cima, incluindo drivers, são coisas próprias do Android, e não estão no kernel mainline. Existe algum nível de suporte, mas acho que está longe de ser perfeito, mas por exemplo tem imagem do Ubuntu para o Lenovo X13s Gen 1.

1 curtida

Acho que depende da fabricante. De vez em quando tem chips da Qualcomm sendo adicionado ao kernel. Já da Mediatek, Kirin Exynios não ouvir falar, mas não duvido.

1 curtida

Imagino que a duração de bateria seja um ponto alto. Eu preciso de mais processador um 8gen3 já seria melhor para meu uso, no seu caso essa versão parece atender bem então. Legal.

Acho que só valeria a pena fazer portabilidade dos SOs se identificar que determinada fabricante vai realmente lançar linhas de processadores e colocar no roadmap a evolução desses produtos. É um esforço que só vale a pena quando derem o sinal verde por exemplo a MTK sinalizar que vai produzir 3, 4 sucessores nessa arquitetura e adotarem em produtos, saindo do experimental.

tirando a comunidade, as empresas só farão isso quando $$ valer, até lá, vai indo.

a Apple mesmo, não fez somente porque a Intel dormiu, mas também pelo custo ter diminuído, e em vez de pagar para Intel, transformaria em lucro.

quando o $$ mandar, tudo x86 vira ARM rapidinho

1 curtida