Riot recorre em processo movido por jogador de LoL: “citação nunca ocorreu”

Originally published at: https://tecnoblog.net/433180/riot-recorre-em-processo-movido-por-jogador-de-lol-citacao-nunca-ocorreu/

A Riot Games alega não ter sido citada na ação judicial movida no Rio de Janeiro pelo jogador banido de League of Legends

Apesar de compreender o motivo pelo qual ele possa ter sido banido, o pedido dele me parece justo.
Ele pagou pelos itens, deveria ter o direito de acessá-los.

Agora tava ponderando uma coisa… Ele foi banido logo na primeira vez ou continuou agindo da mesma forma depois de diversos avisos e suspensões? (Não lembro se a Riot dá aviso/suspensão, mas acredito que não tenha sido de primeira)

Esse veredito para esse tipo de processo é meio idiota…

Vamos dizer que eu gaste 5 mil reais em itens cosméticos, então comece à ser super tóxico e por acabe justamente banido…
Com um veredito besta desses é só dar uma de joão-sem-braços e processar, vencer, ser desbanido e continuar sendo tóxico. Se for banido novamente é só entrar com outro processo, vencer novamente… etc. Se valeu da primeira vez que eu fui banido, então é ilegal e eles não podem fazer absolutamente nada para impedir que eu seja tóxico… e isso tira totalmente o direito de tentar fazer um jogo menos tóxico para o pessoal que está tentando só se divertir.

Agora, se tiver de devolver o dinheiro e pagar indenização… é ainda pior.

Vamos supor que gaste 45 mil reais em itens cosméticos numa conta, ai quando a situação aperta (ou caia a ficha que gastar uma quantidade ridicula de dinheiro em itens que não existem é uma bobagem sem tamanho) e esteja precisando do dinheiro para qualquer coisa mais construtiva que itens cosméticos em jogos…
O que eu faço? Xingo todo mundo, faço algazarra, estrago a diversão alheia até ser banido e entro com um processo. Ai recupero tudo e mais um pouco… o que poderia ser explorado por todo mundo que se cansar do jogo…

Mesma coisa, teóricamente, valeria para trapaceiros…

3 curtidas

Fora a insegurança jurídica causada por esse veredicto, afinal não é só skin em jogo que é comercializada através de licenciamento, mesmo um CD de musica é comercializado através de um licenciamento seja para uso domestico( para vc ouvir na sua casa) ou comercial(para vc poder tocar em algum bar, boate ou radio). Eu já vejo o ECAC salivando de raiva por causa dessa juiza.

1 curtida

Eu já acho que a juíza de certa forma tem razão. O que está sendo julgado não é se o jogador foi tóxico ou não, ou se a punição foi boa ou não, mas de ele ter acesso aos itens que ele comprou e a empresa “impedir o acesso do jogador a propriedades pessoais compradas com dinheiro real”.

Um paralelo ao mundo real seria como se a pessoa que fosse presa e automaticamente transferisse todos os bens pro Estado e nunca mais tivesse como recuperar, ou se um brasileiro com casa em Orlando fosse extraditado, mas não pudesse fazer nada com a casa.

Não sei se o LOL possui o mesmo esquema de transferência de itens igual ao CS GO, mas o ideal nesse caso seria transferir para uma conta nova não jogável e permitir que o usuário vendesse seus itens com uma moeda virtual e posteriormente fazer a transferência para dinheiro real novamente.

2 curtidas

Apesar de isso parecer justo, isso certamente seria explorado por quem já tivesse cansado do jogo…

O ideal mesmo era banir das partidas com outros jogadores e deixar jogando só com bots, sem rank e offline. Aí a alegação de impedir o acesso das coisas cairia por terra…

Mas cômico seria banir para uma ilha de banidos… Tipo aquele ban Island do fallguys. Os tóxicos e hackers que joguem entre si sem direito a reportar. Hahaha
E para sair desta olha deveria cumprir uma certa quantidade de horas(400) de jogo contra outros hackers e tóxicos. Jogar mesmo, deixar parado ou se movendo pouco não conta tempo. Além disso, se comprometer em cara aberta no fórum a não ser mais tóxico.

Ou ainda melhor, reduz os pontos ganhos em 90%, aumenta os perdidos em 150% e impede a queda de rank (se perder além dos pontos, fica com ponto negativo mas continua no mesmo rank). Sem contar banir dos chats tanto de voz quanto de texto. Adiciona um badge de :poop: no nick. E impede a mudança do nome de usuário.
Se tiver queue, põe os tóxicos mas menores prioridades.

1 curtida

Se não estou enganado, esse tipo de coisa já está na lei.

Sério, fizeram uma grande bagunça em torno de algo simples.

Pra mim skin de jogo não é propriedade, é no máximo um adorno gráfico que você paga pra desbloquear, assim como outros itens …

Não tem como isso ser considerado um bem adquirido. Se essa skin fosse comercializado como um NFT, aí sim. Mesmo que o usuário pague pelo jogo, ele não está comprando o jogo, só o direito de jogar. E falo isso, porque mesmo que pague, não o isenta de ser banido. E sim, vai perder o progresso no jogo e todas as compras internas, daquela realidade fictícia. Não existe essa de transferir o progresso e as compras para outra conta (da mesma plataforma) ou de outra, que faz menos sentido ainda.

4 curtidas

Exatamente. Mas dá uma olhada no post anterior a esse sobre o mesmo assunto.
Pessoal tóxico/trapaceiro quer fazer bobagem e não ser punido.

2 curtidas

Acredito que a maneira mais viável seria a RIOT banir o chat de jogadores tóxicos. E dependendo da gravidade e do histórico até mesmo um ban permanente do chat e quem sabe o PVP.

1 curtida

Não acho justo recuperar os itens. Ele gastou dinheiro real? Sim! Mas ele perdeu acesso à conta por má conduta por repetidas vezes. Ele teve pelo menos umas 5 oportunidades de mudar seu comportamento, foi massivamente avisado: “se vc continuar agindo assim, seremos obrigados a te remover da comunidade.” Mas não, continuou agindo da mesma forma tóxica.

Perdeu a conta e não tem choro!

Exceto se ele foi banido por algo que ele n tenha feito ou que não tenha sido grave. Aí sim vale o recurso e não só de recuperar os itens, como a conta e ainda uma indenização, mas claramente este não é o caso, pois ele aceitou que o ban foi legítimo, já que quer os itens em outra conta.

E por mim, não direito de criar uma nova conta ele deveria ter.

1 curtida

Enfim, quem julgará se a causa é justa ou não será o juiz.

O ban deveria ter uma série de condicionais; rede, device… então após identificado, nem criar seria possível. Mas já vimos na justiça brasileira que bloquear o device também é considerado ilegal …

1 curtida

Tecnicamente falando, a Riot não permite contas secundárias ou ban evasion… hahaha

1 curtida

Não é justo não. A licença ao conteúdo pago é revogável e o jogador tem propriedade nenhuma sobre o conteúdo. Nem a conta dele é dele mesmo, tá nos termos de uso do jogo. Se ele não leu e aceitou, que sente e chore.

2 curtidas

palavra chave “parecer”.

Mas eu sinceramente acho que existem punições piores que o banimento. Tipo deixar ele jogar APENAS com os do mesmo calibre dele só para sentir na pele que desgraça é ter de tolerar gente como ele.

1 curtida

Tem um episódio em Mythic Quest, em que decidem como forma de punição a jogadores “tóxicos”, isolar-os em um mundo paralelo onde só podem jogar entre si…

Nunca vi isso. Vou dar uma olhada nisso pra ver o que rolou. hahaha

Edit: Apple TV+. RIP

Então, a questão é bem simples, ele foi tóxico e a Riot baniu dele. Ok está no código da riot, porém ela baniu uma conta e permite você entrar com outra conta nova.
Quando você compra uma skin ou qualquer coisa dentro de um jogo você compra uma licença de uso pessoal que pode durar dias, meses ou indeterminado.
Então você gastou dinheiro com licenças de uso mas foi banido de uma conta, logo você tem outra e continua tendo acesso ao software.
Baseado no código do consumidor você não pode ser barrado de acessar algo ainda existente por conduta tóxica, tóxico nem tem no CDC. Logo a empresa precisa arrumar um jeito de viver continuar a ter acesso pelo que você pagou para ter.
Não acho errado se deixam ele fazer outra conta.
Se o jogador pode entrar novamente pq bloquear acesso a algo que ele comprou?
Na lei e isso nada tem haver com o comportamento dele no ambiente que for, respalda todos para que a empresa não faça enriquecimento ilícito e que você possa comprar algum produto como uma licença e não possa ser impedido de ter acesso.
Ainda acho que se ele pode voltar então deve ter direito ao que ele pagou.