Do Pentium ao Lentium

Minha primeira máquina pessoal foi um Pentium 100Mhz (apesar de ter mexido em 486 e 386 de amigos e parentes). Depois tive um fantástico Pentium 200 MMX…

1 curtida

Eu era time AMD. Quer dizer, o meu amigo que montou e fazia manutenção do PC lá de casa curtia muito mais a AMD, e aí nos convenceu a comprar um Athlon. Eu, que entendia vários nadas do assunto, fui na onda. E não posso reclamar, porque aquele computador resistiu por muito tempo e funcionava direitinho, viu.

Eu pulei os Athlon e fui direto para os Sempron, q era tipo um Celeron da AMD.
Só voltei para a Intel depois, já com um i5 de 2a geração e agora um i7 de 11 geração.

Isso estou falando de m√°quinas pr√≥prias. Mas trabalhei com um sem n√ļmero de processadores nas empresas por onde passei.

1 curtida

Nossa, altas memórias ouvindo esse episódio!.. Meu primeiro computador, se não me engano, era um 386 com monitor fósforo verde! Sem falar que, quando eu era criança, meu pai chegou a ter um clone do Apple II.

1 curtida

Creio que a estratégia da Intel seja a de tentar tornar o i3 sua linha de entrada, com o i5 e o i7 servindo as linhas intermediárias e o i9 para exigências mais avançadas.
De qualquer forma, o posicionamento da Intel no que diz respeito ao marketing de seus produtos √© bem conservadora. A marca Xeon, que surgiu nos tempos do Pentium II e √© contempor√Ęnea do Celeron permanece.
De qualquer forma, esse envelhecimento mais atrapalha do que ajuda num mercado din√Ęmico como √© o caso do mercado de microprocessadores.
A marca Athlon (da concorrente AMD) foi deixada de lado durante anos, sendo hoje usada para a linha mais básica dos processadores da plataforma Zen. Pode ser que eventualmente se retome a marca ou se use novas marcas para as novas linhas de processadores adiante, como a AMD já fez, mas isso é uma incógnita para o futuro.