Apple M1 Pro e Max são "monstros" no desempenho, mostram primeiros testes

Curioso pra ver quais serão os comentários do CEO da Intel e as propagandas da empresa pra responder a esse tapa seco na orelha dado pela Apple. Ainda não conseguiram chegar perto do M1 do ano passado e agora já vem a nova geração cuspindo fogo.

5 curtidas

Vão entregar processadores mais potentes, só que consumindo 240w, 300w… No fim é isso, X86 não foi desenvolvido com foco em eficiência energética, como o Apple silicon. Acredito que a intel consiga brigar por potência bruta, e eles vão se apegar nisso para não ficarem para trás.

3 curtidas

Eu não tenho dúvidas que seja mais competitivo, ainda mais quando se leva em conta a potencia por watts. Um ARM pode (e geralmente é assim) ser construído com poucas intruções, personalizado pelo fabricante a fim de que tenha as necessárias a sua tarefa específica, diferente de um chip X86, que carrega um legado gigantesco de instruções de decadas, a fim de que seja compativel com softwares diversos. O caminho a dispositivos pessoais tende a ser cada vez mais via ARM proprietário, mas dentro do setor corporativo acho bem complexo uma mudança a vista, afinal toda esse legado de compatibilidade é uma maldição necessária.

1 curtida

Uma anomalia esses processadores, p*** que pariu!

1 curtida

Detalhe importante:

Os M1 Pro e M1 Max não são sucessores do M1, são “meras” variações mais potentes.

  • M1: Equivale ao i3 (processador de entrada)
  • M1 Pro: Equivale aos i5/i7 (processadores intermediários)
  • M1 Max: Equivale aos i7/i9 (processadores parrudos)

Ano que vem é que de fato a Apple deve anunciar os sucessores (ex.: M2, M2 Pro, M2 Max).

Se ano que vem a Apple conseguir manter o salto de performance e eficiência energética, a Intel não alcança nunca mais. Os engenheiros devem estar correndo igual loucos na base do grito lá na Intel porque sabem que tem uma janela de uns 12 meses pra apresentar um concorrente a altura, caso contrário a Apple vai dar a “segunda volta” neles nessa corrida.

AMD, Qualcomm e Samsung estão assistindo a surra de proporções épicas e com certeza correndo atrás do prejuízo também.

Acho que daqui poucos anos teremos um salto gigantesco no poder dos processadores para PCs e Androids por conta do que a Apple está fazendo.

3 curtidas

Pera, essa equivalência não parece muito certa. Seria equivalente em performance?

Multicore do Intel Core i3-10320 no Geekbench é 4704 enquanto o do MacBook Air M1 é 7400

O i5 com score mais alto é o Intel Core i5-11600K, com 8031, então a meu ver o M1 estaria mais para uma equivalência a um i5 desktop do que qualquer i3

M1 pro e M1 max (exceto pelo M1 de entrada) tem os mesmos núcleos de CPU, então não vejo diferença entre eles nessa comparação que faria sentido, altera apenas a GPU. M1 pro/max fazem 11542 multicore no Geekbench, o mais próximo consumer da intel seria o Intel Core i9-7920X com 11864

Não, em performance sabemos que os M1 batem os “mobile” da Intel.

O que eu quero dizer é mais no sentido de equivalência em propósito (e não em números diretamente): Chips + gráficos integrados de entrada, intermediários e avançados. Nesse caso, ao meu ver, a resposta da Apple foi montar 3 categorias de processadores para substituir as 4 categorias da Intel.

1 curtida

Exatamente. Vejo muita gente erroneamente se referindo a eles como se fossem uma nova geração ou substitutos do M1.

Entendi

Acho que seria mais algo como:
M1 = mid end
M1 Pro = Hi end
M1 Pro max = Hi end + gpu

É interessante ver os benchmarks pipocando e o que a apple fez com otimização de hardware, em especial pra reprodução/renderização de video com aceleração de hardware nesses MacBooks. Eles são devices feitos com propósitos bem específicos