Android 11 Beta remove limite de 4 GB para gravar vídeo

Originally published at: https://tecnoblog.net/345895/android-11-beta-remove-limite-de-4-gb-para-gravar-video/

Com a novidade o Android 11 pode, teoricamente, gravar vídeos com arquivos de até 16 TB de uma só vez na memória interna

Bem que o Google podia implementar no Android suporte nativo a cartões de memória e pendrives (via adaptador OTG) formatados em NTFS e exFAT também, pois ficar restrito ao FAT32 e seu limite de 4GB em pleno 2020 não dá mais.

Tive que recorrer a um gerenciador de arquivos de terceiros com driver próprio, pois o firmware stock do meu aparelho só reconhece FAT32.

1 Curtida

NTFS e exFAT são sistemas proprietários da Microsoft, então eu não esperaria suporte nativo pra eles no Android tão cedo. Os smartphones que oferecem suporte são porque a fabricante licenciou um driver de terceiros para uso (normalmente da Tuxera), só que isso tem um custo então normalmente o driver só é implementado nos modelos mais caros.

Pelo menos com o exFAT existe uma luz no fim do túnel, visto que as versões atuais do kernel Linux implementam um driver exFAT doado pela Microsoft, mas como o Android normalmente utiliza como base um kernel pelo menos duas versões anteriores à versão atual, ainda levará alguns anos pra ter esse suporte nativo sem depender de drivers de terceiros…

1 Curtida

Nem sabia desse limite. kkkkk Então o 4K, que já tem um tempinho no mercado, nem daria pra chegar aos 15 minutos de vídeo. Doideira.

No meu Samsung S (8, 9, 20) ele reconhece (se não estou em erro) NTFS, eu tenho discos externos em NTFS e consigo ver os ficheiros dentro. A implementação deve depender de cada fabricante.

No entanto não esquece que hoje em dia muitos Smartphones gravam vídeo em 4K HEVC, logo 4GB dá para muito tempo de gravação. Não conheço ninguém que faça gravação durante horas num smartphone, além disso ele cria automaticamente outro ficheiro de 4 GB. Logo no editor de vídeo é só puxar os dois seguidos. Digamos que é bom este update mas os 4 GB eram já um “não-problema”.

Demorou. Um Galaxy S10 com o Android 11, ficaria sem esse limite tb ou só os que saírem de fabrica?

Se a google julgar importante isso ela pode portar do kernel atual para o que ele tá usando, normalmente questões de licenciamento não impedem isso, e provavelmente não tenha nenhuma limitação técnica também, então fica na questão de se vale o esforço.

O que eu gostaria de ver era o windows lendo ext4, resolveria os problemas de copia de arquivos entre os sistemas.

Pois é, eu li exatamente como você descreveu, o exFAT a Microsoft tinha doado o driver para o Linux, mas ainda vai demorar até ser adotado pelo Android. E no caso, o aplicativo gerenciador de arquivos que uso (MiXplorer) tem driver que suporta NTFS e exFAT. Como fizeram nesse caso, licenciaram o driver ou fizeram a boa e velha engenharia reversa?

Lembrei também que cartões de memória SDXC, acima de 32GB, tem suporte obrigatório a exFAT, ou seja, o problema agora são as fabricantes implementarem o driver no kernel.

Como o suporte foi adicionado diretamente no app, muito provavelmente utilizaram algo parecido com o NTFS-3G ou o antigo driver exFAT do Linux, ambos desenvolvidos com engenharia reversa. Eles funcionam, mas não são muito estáveis e por rodarem no nível do app, o desempenho não chega nem perto do que seria se comparado com um driver nativo no nível do kernel do sistema (como as soluções comerciais da Tuxera que as fabricantes licenciam).

A especificação do SD XC determina que todos os cartões maiores de 32 GB venham formatados em exFAT, no entanto nada te impede de formatar um SD XC com qualquer outro sistema de arquivos (até mesmo o FAT32 suporta partições de até 2 TB).

Outro ponto da especificação, senão me engano, é que a fabricante precisa oferecer suporte nativo ao exFAT se quiser anunciá-lo como compatível com SD XC. Hoje em dia, se a ficha técnica de um smartphone indica suporte para cartões de memória com até 2 TB, é praticamente garantido que a firmware original do aparelho ofereça um driver exFAT nativo no nível do kernel.

1 Curtida

Estou utilizando o Beta1 no Pixel 2 XL, as notificações está mais organizada do que já era. Novas permissões específica para cada aplicativo achei que foi algo muito bem vindo. Enfim o sistema está rodando bem, só tive problemas com aplicação do banco Inter que não está rodando nessa versão do S.O. Agora a única coisa que não funciona é o modo escuro pelo tempo definido, e do amanhecer/anoitecer, mesmo com a localização ligada ele não ativa e desativa o modo escuro automático.

Este tópico foi automaticamente fechado após 92 dias. Novas respostas não são mais permitidas.