Anatel exige ativação do rádio FM em celulares compatíveis com a tecnologia

1 curtida

Sendo uma obrigação só para evitar que as empresas vendam celulares “capados”, nada mais que justo

5 curtidas

Acho que seria melhor isso para as regiões onde não tem nem área, como áreas na Região Norte. Porém, é uma medida desnecessária para localidades com sinal de internet.
Uma alternativa para isso seria o zero-rating de apps que transmitem rádios FM em regiões do país onde há sinal de internet móvel.

2 curtidas

A questão é que o rádio no Brasil, apesar de não parecer, não é tão concentrado em tão poucas empresas como nos EUA (com iHeartMedia, Audacy, Cumulus Media, Townsquare Media e Beasley Media Group entre as maiores empresas) ou no Reino Unido (com o rádio comercial concentrado majoritariamente em duas empresas, Global e Bauer - e a News Corp de Rupert Murdoch com um punhado de emissoras nacionais no rádio digital, mais a talkSPORT no AM nacional - além das emissoras da BBC, emissora pública não-comercial). Logo, zero-rating para apps de rádio é mais complicado (tem o Band Rádios, do Grupo Bandeirantes, tem emissoras que têm cada uma o seu app - até as do Sistema Globo de Rádio, que hoje são só três marcas, CBN, Rádio Globo e BH FM - e tem apps como o TuneIn e o RádiosNet, que basicamente agregam os sinais online de várias emissoras diferentes) do que lá, onde cada grupo tem o seu app (iHeartRadio, o app Audacy, Global Player e RadioPlayer, da Bauer, por exemplo).

3 curtidas

Na verdade é só um obrigação, fruto de conchavo político, para no fim resultar em você consumidor, pagar mais caro.

Não é obrigação de político decidir o que uma fabricante global ou nacional vai implementar de feature. Você não está ganhando nada, só está vendo descaradamente sua contribuição em impostos resultar em projetos ineficientes, que não oferecem benefício algum, mas servem de palco para pessoas acharem que estão fazendo ou se importando com algo, quando estão agindo meramente em benefício próprio.

2 curtidas

mais caro em termos de que?

O Telefone Móvel Celular que possuir hardware com capacidade de recepção de sinais do serviço de radiodifusão sonora em frequência modulada (FM) deverá que ter comprovada a habilitação desta funcionalidade,

Ou seja, basta não enfiar chip compativel com isso…

2 curtidas

São fabricantes globais, não desenvolvem aparelhos pensando em micro peculiaridades de países instáveis, qualquer coisa que envolva antena é o core do aparelho, todo o design interno é pensado em otimizar. Vemos isso com o snapdragon 8 gen 1, que ofereceu demonstrativos de tecnologias novas usando AI para reposicionar o sinal (5G) das antenas baseado em uso combinado de se sensores e SoC aliado ao software. O que quero dizer é que se FM fosse uma prioridade ou desejo coletivo, veria fabricantes se estapeando para alardear esse recurso como a nova maravilha do mundo moderno, mas acontece que não é. Resulta que tudo é custo vs atingir a expectativa do usuário. Todo ano vemos trade-off dos mais variados, todos tentando chegar em um equilíbrio.

2 curtidas

Mas o que está sendo dito na publicação é resumidamente: o aparelho tem o hardware já disponível, mas a fabricante não habilita. Nesse aso sim mais do que certo. O que seria errado w desperdício de impostos é cobrar adicionar hardware pra ter rádio FM

3 curtidas

Se essa moda pega a intel teria que parar de vender i3 e i5.

1 curtida

Eu pago mais caro por um celular com rádio, acho justo que todos também sejam obrigados a pagar mais caro para ter FM mesmo que nunca usem. Por isso amo os políticos, esses sim são seres iluminado.
Minha próxima luta eh para que todos computadores venham com o MS Office Pacote Full obrigatório. E que todos os planos de internet tenham globoplay obrigatório. Acho justos que todos paguem mais caro por conteúdo de qualidade, mesmo que não queiram ou não usem.

2 curtidas

Acredito que a discussão é bem mais profunda, e cada caso é um caso. Mas se eu for resumir minha opinião, eu acho safadeza se a empresa cobrar a mais por algo já implementado. Não é o caso do rádio FM, o hardware tá lá, mas não há cobrança adicional por simplesmente ativar o recurso via software, ele nem sequer foi implementado completamente.

Mesma coisa CPUs, nenhuma fabricante tu paga a mais para liberar mais performance, um I5 ou Ryzen 5 não consegue virar um I7/R7 mediante um pagamento pra qualquer uma das empresas, são cortados a laser, mesmo que algumas unidades fossem capazes de serem de maior tier.

Agora, quando o recurso é implementado e há uma limitação artificial, e a empresa cobra pra liberar o recurso, tipo a Tesla com os bancos aquecidos, onde os. Ela não é a primeira fabricante automotiva a fazer isso, só acho que consegue levar pra outro nível. Não vejo a hora de crackearem esse carro inteiro.

Uma das minhas primeiras participações aqui na comunidade foi sobre esse assunto algum tempo atrás, e reforço minha opinião. Além dos prós e contras que todos repetiram aqui, ainda tem o fator de segurança em casos de catástrofes, naturais ou não.

Em resumo, em situações de catástrofes, uma das primeiras coisas a cair é a energia e com ela se vai a internet. O sinal de rádio por ser mais simples de se operar e com um alcance maior visto a rede que temos no país, é a forma mais eficaz de comunicação nessas condições.

Sempre lembro daquele black-out que vivemos lá em 2009/2010 (não lembro exatamente o ano) em que mais da metade do país ficou no escuro, o rádio foi a única fonte de notícias que ficou de pé. Só pra vocês perceberem como velhas tecnologias, por mais que pareça que hoje em dia não são tão úteis, ainda se fazem necessárias.

5 curtidas

Pois é também não acho má ideia, até penso em comprar um Rádio FM a pilha só pra esses casos. Em casos de desastres naturais, geralmente tudo pára, só fica o rádio. E a exigência da Anatel é só se tiver o hardware (o que incluiria o SoC e a antena, tudo que precisasse pra captar FM) pronto pra isso, não fica caro pra fabricante só “virar a chavinha” do software e liberar o recurso, já que uns tempos atrás elas já modificavam o software fabricado aqui com apps brasileiros, para poder se beneficiar da Lei do Bem da Informática (acho que o nome era esse, foi assim que comprei meu Nexus 4 por menos de mil reais, bons tempos kkk).

1 curtida

Um radinho de pilha já comporta essa tarefa muito melhor que um smartphone, afinal se houver uma catástrofe e a rede elétrica for afetada, logo o smartphone ficará sem carga, já o radinho de pilha serve bem mais a tarefa de artigo de sobrevivência, para essa situação peculiar.

Mas sério mesmo, se houver uma catástrofe como essa, certamente a preocupação das autoridades deveriam estar voltadas para outras medidas de salva guarda, do que tentar desesperadamente convencer alguém que um smartphone com rádio FM iria realmente proporcionar um real benefício.

1 curtida

Visto que grande parte dos moradores de cidades cobertas por rede móvel de internet possuir
smartphone e não radinho de pilha, ainda fico com a ideia de rádio FM nos celulares.

Eu tenho a impressão de que às vezes nós temos uma visão limitada do Brasil como um todo quando se trata de conectividade. A gente sabe que a internet não chega a muitos lugares do território, sendo a TV e ainda mais o rádio, a única fonte de informação e comunicação de algumas regiões.

A falta de rádio ou a necessidade de, no nosso smartphone, na nossa realidade, realmente não traz “reais benefícios”, mas e nas outras realidades que a gente não vê?

2 curtidas

Com essa mudança climática, cada ano ficando pior, creio que o FM seja importante, bem como criar um Sistema de noticias POR SMS, Eu uso FM as vezes no carro quando estou na estrada, se tivesse um canal de rodovias, informando de alagamentos, clima, acidentes, barreiras seria muito bom.

2 curtidas

Bando de parasitas inúteis. Num lugar sério, todo o setor responsável por levantar essas obrigações idiotas seriam demitidos.

No Android tem uma função de Transmissões de emergência. As operadoras brasileiras poderiam implementar um sistema pra mostrar esses avisos usando essa função do Android.

1 curtida

A gente altera essa realidade levando progresso para essas regiões e não tentando resolver problemas que não existem em iminência, com obrigatoriedade de suporte a FM em smartphones. Se em uma situação hipotética houvesse um blackout, acho que a nossa maior preocupação não deveria ser sobre rádio FM, mas sobre como nossa classe política perderam tempo focando em projetos que não resolvem, mas apenas geram buzz.