Anatel diz que Brasil tem pouca opção de celular e celebra chegada da Honor

Aqui em Barcelona vemos Xiaomi, Redmi, Honor, Huawei, Oppo, Vivo chinesa. São várias empresas mostrando celulares de ponta, lindos e maravilhosos, mas que não estão no Brasil.

Indireta com a Xiaomi (citada 2 vezes) que oficialmente se encontra no Brasil, mas na prática não é bem assim (cof, cof, cof… mercado cinza, marketplace alternativos, etc.)

5 Likes

Antes de mais nada, que design grotesco dessa marca.

1 Like

Quero ver se dura mais tempo que Huawei, Realme e Oppo

4 Likes

marcas que conheço que estão oficialmente no Brasil:

  • Xiaomi
  • Nokia
  • Motorola
  • Samsung
  • Apple
  • Oppo
  • Realme
  • Infinix

Mas pra Anatel é pouco

4 Likes

O cara da anatel deve usar um iphone ou samsung e fala frases prontas por viver numa bolha kkk

4 Likes

Então só existem essaa 3 marcas no HueBR segundo o “profissional” da Anatel.

Só que de nada adianta se o aparelho não ajudar neh.

Sinceramente, tantas coisas mais importantes para a Anatel se envolver… vai celebrar uma marca de celular…

Podem ser bastante marcas, mas diga quantas pessoas comuns você vê utilizando algum celular que não seja Samsung, Motorola, Apple ou Xiaomi… Não adianta falar que você tem um amigo dev que tem um Oppo, pois ele não é o usuário comum. Se você não entendeu, o presidente da Anatel estava se referindo ao mercado amplo, geral, que o usuário comum vai na loja e analisa como opção de um novo smartphone. Eu pelo menos nunca vi uma tia, um tio, que foi na loja e saiu com um “Infinix” como celular novo. Um usuário comum vai comprar um Samsung, um Motorola, no máximo um Xioami, que são justamente as marcas mais competitivas. E, como ele mesmo disse: “Percebemos que o Brasil tem um mercado muito concentrado e uma competição muito pequena na área dos smartphones”.

9 Likes

Esqueceu da Asus aí, mas mesmo adicionando a Asus, também acho pouco ainda sim. Falta Google Pixel, além de todas as citadas. O mais incrível nem é a falta de variedade é a falta de disponibilização de diversos modelos das próprias linhas já conhecidas como Galaxy e Motorola que possuem mais versões. Exemplo, Motorola Edge 40 Pro. Cadê? E por ai vai .

3 Likes

O problema está no consumidor brasileiro. Não nas decisões da ANATEL. Maior variedade significa maior competitividade, os preços de smartphones aqui são inflados e supervalorizados. Em grande parte porque o povo brasileiro tem mania de babar em pouca ■■■■■, país onde carro popular tem preço de carro de luxo mesmo que este carro popular seja fabricado no Brasil e vendido por metade do preço pros demais países da América Latina. Povo brasileiro precisa ser estudado, pra ontem!!!

2 Likes

Não tenho números oficiais, mas a impressão que tenho é que, dessa lista toda, apenas Samsung, Motorola e Apple vendem de verdade aqui no Brasil.

  • Xiaomi: Preços oficiais absurdos. Só vale no mercado cinza.
  • Nokia: Último que vi alguém usando foi o Lumia com Windows.
  • Oppo: Nunca vi um pessoalmente.
  • Realme: Já ouvi falar, mas também nunca vi um.
  • Infinix: Não é multilaser? Não conheço a Infinix, mas como nunca vi sequer um produto de qualidade da multilaser, eu passaria longe.

Além dessas ainda tem a Asus, mas também nunca vi alguém com um Zenfone.

No final das contas quem não tem muitas condições acaba comprando aparelhos de entrada da Motorola ou Samsung que são marcas extremamente conhecidas e têm preços mais atrativos. Quem pode gastar mais acaba pegando um top da Samsung ou Apple.

6 Likes

É pq as empresas não investem na marca

Nenhum cidadão em Sã consciência vai comprar um celular (que é um item caro) sem observar itens básicos, como por exemplo perguntar em lojas de celular qual é o modelo que seja bom e que vai ter peças se precisar concertar, normalmente as lojas indicam as pessoas comprar iPhone, Samsung da Linha A ou M, e só por fim a Xiaomi , e mais no fim ainda mororola, pois sabidamente essa é a ordem das marcas que mais tem peças de reposição, e de fato, é muito mais facil quebrar a tela de um iPhone e ao ir trocar a tela as lojas de celulares ter a tela la pra trocar na hora, do que se quebrar a tela de um Samsung linha S , a maioria das lojas de celulares não tem estoque de telas Samsung da linha S, eles tem estoque da Linha A, M e J, mas quase ninguém tem da linha S, prexisando encomendar … e quando é Xiaomi a mesma coisa, a maioria das vezes tem que pedir e esperar chegar, a população que um dia ja precisou trocar a tela é a mesma população que hoje em dia

1 Like

Acho que você quis dizer que os preços dos smartphones da Apple são inflado aqui.

Porque a Samsung vende o S23 de 256GB nos EUA por US$759,99.
No Brasil vende o mesmo aparelho por R$3.869,19.
Na cotação do dólar comercial de hoje (2 de março de 2024), com US$1 custando R$4,95, US$759,99 sai R$3.765,522.
O S23 Ultra de 512GB sai por US$1.419,99 nos EUA e R$7.199,99 no Brasil.
Na conversão direta do preço no mesmo parâmetro anterior sai R$7.035,63.

Não me parece inflado e nem supervalorizado se comparado com o preço nos EUA.

9 Likes

“isso certamente refletiria em celulares mais baratos” Um verdadeiro blefe do presidente da Anatel. Topo de linha e barato são palavras que não cabem na mesma frase aqui no Brasil. Eu já perdi a fé .

1 Like

Se não for montar os aparelhos no Brasil vai ser um fracasso igual a Xiaomi

1 Like

Problema é o de sempre: Custo Brasil. Qualquer fabricante que vai entrar oficialmente aqui tem que vender os aparelhos pelo dobro do preço que custam no mercado livre cinza, ai acaba que entra um monte de modelo genérico com preço similar aos também genéricos mas de marcas conhecidas como Motorola e Samsung…
Por diferença pouca ninguém vai querer apostar seu suado :money_with_wings::money_with_wings:.

Eu acho ótimo entrar concorrência, mas não me vejo saindo da Samsung tão cedo, vai demorar uns anos pra alguma marca se estabelecer e ter o mesmo nível de confiança da Coreana.

2 Likes

Pq será que o mercado é tão fraco e tudo é caro? Culpa dos impostos, custos, encargos e demais taxas.
Os smartphones da Honor são muito bons. Se não tiver um bom suporte, rede de reparos, vai cair no limbo como as outras.
Sendo uma antiga subsidiária da Huawei, esta tem a Google Play, coisa que Huawei não.

1 Like