Vivo pode comprar Desktop e se tornar líder de banda larga em SP

Lembro da GVT ótimo tratamento com o cliente, opa a vivo adquiriu virou a b… de sempre.

11 Likes

Não moro em SP e nunca ouvi falar nessa operadora. Ao ler a chamada pensei: “Que M! E dai que a Vivo vai comprar um computador novo?” :sweat_smile:

6 Likes

Pois é, a GVT era uma das melhores operadoras que tinha por aqui… eu tinha zero problemas com eles…
Depois que virou VIVO, eu só tive dor de cabeça… até o ponto final que foi me impedir de trocar o IP interno do modem para me adaptar à rede que existe à 20 anos… agora to na Claro. hahaha

4 Likes

Tenho um cliente que me relatou que seu sobrinho trabalha na Vivo no Nordeste e após a compra da Oi não investiu quase nada em melhorias na Rede, apenas mudou de nome mesmo. hahaha

Torço para que não se concretize. Quem era cliente GVT na época da aquisição tem pesadelos ao lembrar de quando virou Vivo.

2 Likes

Espero muito mesmo que não se concretize. Esse termo “consolidação” é ridículo, é um eufemismo par CONCENTRAÇÂO de mercado. O que o Brasil precisa de mais opções, nosso setor bancário, de telecomunicações e indústria no geral é muito concentrado.

1 Like

Eu acho é que piorou.

Eu era cliente Oi, e por mais que houvesse reclamações e as vezes com toda a razão, o sinal onde eu utilizo o telefone era perfeito até o 4G. Hoje o sinal para ligações é um lamento só, então nem falo do 4G.

Com essa aquisição eu pensei que toda a estrutura passaria para a Vivo, mas a qualidade caiu, como pode isso?!

3 Likes

Caso se concretize, menos uma opção de concorrencia no mercado pro consumidor final. Mais uma pro cartel…

Baco era um rei que, em tudo que tocava, virava ouro. A Vivo em tudo o que toca, vira lixo de serviço. A GVT era perfeita, a Vivo comprou, pegou o que era bom pra ela e implantou na GVT o que ela fazia de pior. Lamentável.

Quando a compra se concretizar, vou pra outra fornecedora.

1 Like

Concordo em quase tudo com vc amigo, menos sobre o setor bancário, afinal, foi um dos setores que recentemente mais se tornou amplo no Brasil:

•Temos os 5 “bancões”: Santander, Itaú, BB, Caixa e Bradesco;
•Temos os regionais, como Banestes (ES) e Banpará, porém, alguns despontaram em alcance nacional, que foi o caso do BRB e Barinsul;
•Temos vários bancos cooperativos, como Sisprime e Unicred, porém, com os 2 de maior destaque crescendo a passos largos: Sicoob, e principalmente, Sicredi;
•Temos inúmeros bancos digitais, desde os líderes do mercado digital Nubank, Inter, Pan e C6, além de inúmeros bancos digitais menores, como um Banco Digi+ ou Agibank
•Temos as corretoras digitais, que vem atuando quase como bancos digitais, como a XP e Rico
•Temos as fintechs vinculadas a grandes empresas, como MercadoPago, PagSeguro, AME; ou vinculada a grandes bancos, como ITI, SuperDigital e Next
•E por último, temos os bancos que antes focavam apenas em alta renda, mas tem expandido o atendimento a um público maior aos poucos, como o BTG, Safra, Daycoval e Sofisa!

Enfim, banco não falta, nosso setor bancário anda bem amplo atualmente, tlvz falte apenas mais conhecimento do “grande publico” sobre todas essas opções!

6 Likes

Ainda que o cenário no setor bancário esteja melhorando (como vc citou), comparado a outros países há ainda muita concentração bancária e em especial de crédito, no caso o Itaú sendo de longe o maior emissor. O último dado que temos é de junho de 2023 e era do seguinte: “Caixa Econômica Federal, Itaú Unibanco, Banco do Brasil e Bradesco — concentravam 59% do mercado de crédito, segundo o Relatório de Economia Bancária (REB)”. Ou seja, 4 bancos com 59% do mercado de crédito e em números o Brasil conta com cerca de 400 instituições bancárias/financeiras vs > 4000 nos EUA (o outro extremo). Ainda temos que melhorar muito, mesmo com esses novos bancos digitais.

1 Like