Tecnocast 254 – A Amazon e os Livros: é complicado

Ótimo tecnocast!
Lembro que a Saraiva até tentou lançar um e-reader, mas falavam muito mal da experiência de uso.
Dificilmente alguém irá conseguir competir com a Amazon nos livros digitais, mas nos audiobooks ainda há espaço para competir, a Amazon ainda não dominou completamente esse segmento.

1 curtida

Sim, o eReader da Saraiva era o Lev. Eu o achava um aparelho bem razoável. Chegaram a lançar mais de uma geração, se não estou enganado. Apesar de eu preferir o Kobo – outro competidor do Kindle vendido pela empresa de mesmo nome, que por sua vez chegou ao Brasil em parceria com a Livraria Cultura e hoje não vende mais o aparelho por aqui --, o Lev tinha uma funcionalidade que nenhum outro tinha igual: o PDF reflow. Você jogava um aquivo PDF lá dentro e ativava essa função, e ele conseguia visualizar o arquivo como se fosse um ePub. Você conseguia aumentar a fonte exatamente como faria num ePub, por exemplo, sem necessidade de dar aquele zoom horroroso que inviabilizava a leitura de PDF no aparelho. Enfim, era um eReader razoável. Uma pena que a coisa não foi para frente.

Que era um Cybook Odyssey da Bookeen, uma empresa francesa.
Ainda fabricam produtos com e-ink, como o Notéa (um tablet) e o DivaHD (um eReader), mas não tem no Brasil (pra surpresa de ninguém).

1 curtida

Eu entendo perfeitamente a questão dos editores.
Mas livro digital é um caminho sem volta. Que nem música digital.

Pode não ter o mesmo charme do vinil e do livro físico, mas a praticidade é imensa. Ainda mais em tempos onde as pessoas estão morando em apartamentos de 20m² e não param em casa.

Eu demorei a aceitar o Kindle por esse saudosismo bobo. Mas desencanei com isso.

Outro dia peguei um livro físico pra consulta e me vi dando zoom com os dedos na página…:smiley:

1 curtida