Tecnocast 230 – Use o cartão de crédito a seu favor

2 curtidas

Ao contrário do que disseram aí, milhas NÃO valem a pena se você não viaja.

Não é tão simples assim pra vender não. As companhias aéreas colocam limitações na emissão de passagens a terceiros. Geralmente são cinco pessoas cadastradas ao mesmo tempo e você pode até trocar, mas tem um período de carência de 90 dias após a troca pra poder emitir o bilhete em nome daquela pessoa.

Nisso os serviços de compras de milhas recusam a compra se tiver mais de três cadastrados. Basicamente só dá pra vender uma vez. Sem contar que eles precisam ter acesso a sua conta (com CPF e senha) nos programas de milha e tem acesso a todos os seus dados. Pros paranóicos por privacidade de plantão, tem que ficar espertos.

Caso não viaje com frequência, sempre procure cartões que geram cashback, não caiam nessa de que é “só vender” as milhas que não é assim que funciona.

Atualmente meu cartão principal é o Nubank Ultravioleta. Me dá 1% de cashback e, com a SELIC atual, ainda cresce mais de 20% a.a enquanto não resgato o dinheiro. Pra mim que moro num lugar onde passagem pra qualquer lugar custa por volta de 80.000 milhas e que comprar no dinheiro vale muito mais a pena, é excelente. Como sei exatamente quanto vou ganhar por cada compra, até facilita saber se vale a pena pagar boleto com taxa extra ou não.

Ah, e Mastercard Black tem proteção de compra sim. O que não tem é o Platinum, mas o Black inclui tanto os benefícios do Gold (compras) quanto do Platinum (viagens).

6 curtidas

Tem uma crescente no instagram (e provavelmente no YT) de vender milha, fazendo conta de compra baseado no valor de TALVEZ vender as milhas.

1 curtida

Proteção de compra sim, proteção de preço não.

3 curtidas

Ótimo episódio.

Com certeza, tudo o q foi falado é verdade.
Mas é trabalhoso demais…eu não tenho tempo pra ficar pesquisando promoção de cartão (sou cadastrado no falandodeviagem.com.br há anos).

O pessoal coloca como se fosse simples obter um cartão Black ou Infinite/Signature.

A maioria das pessoas não consegue ter esse perfil de cartão e se tem, sem ter renda compatível, está só se apegando a status.

Sem querer parecer baba-ca, eu tenho uma renda mensal de 5 dígitos. E mesmo assim não tenho um padrão de consumo que me viabilize pontos suficientes pra milhas que me gerem possibilidades de viagens além de uma ponte aérea. E não vou ampliar meu perfil de consumo meramente por isso.

Como já disse em outros tópicos, a isenção de anuidade ainda é uma boa pro perfil médio do brasileiro, q só quer pagar as despesas do mês no supermercado e algumas compras online.

Como dito no episódio, o Gabriel é totalmente um ponto fora da curva.
O outro rapaz entrevistado chegou a falar 2 vezes sobre perfil q seja compatível com aquela categoria de cartão, mas acabou não entrando em detalhes. Acho isso o mais importante.
Independente de ser possível (e é mesmo), eu não tenho saco e tempo pra ficar ligando pra SAC de cartão e pedir isenção de anuidade.
Meu tempo hoje é mais caro do que isso - então opto por estar sendo produtivo a ficar procurando descontos que nem sempre vão valer o esforço.

O exemplo da geladeira (mas poderia ser de um iphone) é tão específico, que, pra quem está fora da bolha de tecnologia (trocando de gadgets todo ano), não vale a pena.

Isso não é uma crítica ao podcast q, como falei, achei ótimo e é um assunto q acho q poderia ser mais tratado em outras oportunidades, mesmo sabendo que é direcionado para um público bem específico.

No meu perfil, a única coisa q já usei foi o seguro viagem, mesmo assim, é tão eventual, que se fosse pra pagar anuidade, não sei se valeria a pena. Os demais benefícios, raramente eu faria uso, apesar de achar legais.

12 curtidas

Problema é que eles não falam que “talvez consiga vender”… falam que dá pra vender na maior tranquilidade.

Seria muito mais ético da parte deles se falassem dos benefícios que se consegue com as milhas, como viagens de graça, upgrade de classe e outras coisas que as milhas foram criadas pra fornecer.

3 curtidas

Bom episódio, mas concordo com todos comentários anteriores.

Acumular milhas não é um santo graal, em especial pela questão do tempo gasto pra ficar ligado e aproveitar as melhores oportunidades.

Na minha pesquisa, as melhores opções pra quem não tem gastos mensais altos, altas quantias investidas, nem quer pagar anuidade seriam o cartão Mastercard Black do Banco Inter (possível de conseguir se você fizer parte de uma comunidade de investimento em nível máximo) e o cartão Visa Infinite da XP (requer apenas 5k investidos).

2 curtidas

Pra não perder o costume kkkkkk

Realmente, a maioria dos benefícios são voltados a quem gasta e viaja demais, nada compatível com a maioria da população.

Com ctz, tive um problema com o santander e tinha q ligar todo mês, mesmo sendo só uma vez era um saco gastar 15min nisso sempre.

7 curtidas

Metade do tecnoblog, que trabalha com ti, deve ganhar mais do que eu.
Mas não reclamo, tá bom assim. :smile:

Eu tenho horror a ligar pra SAC. Mesmo via app, como citaram no episódio, é demorado também.

Enfim… Estou com aquele XP Visa, sem anuidade, sem benefício nenhum além dos da bandeira, mas tá bom pra mim. Esse mesmo cartão foi detonado no fórum do Gabriel.
Simplesmente não é meu perfil gastar 5k, 10k todo mês o cartão. Acho que nunca gastei isso na vida.

4 curtidas

Exatamente, no final o cidadão vira escravo do cartão e perde um tempo precioso pra ganhar milhas que não valem nem o tempo perdido.

Eles vivem numa bolha inacreditável, um deles disse em certo momento que tinha 18 anos e tinha um american express gold. Com essa idade eu juntava os trocados pra pagar xerox na faculdade.

Certo momento um deles comenta que é um perrengue fazer uma viagem longa e não ter acesso a sala vip é sério??? Só se for perrengue chique pq perrengue da vida real, e da maioria dos brasileiros, é 1000x maior do que não poder tomar um banho depois de algumas horas viajando. Além disso, pessoalmente acho extremamente brega ficar se achando só pq tem um cartão black ou por ter acesso a sala vip.

Eu não entendo muito sobre esse universo de milhas, mas creio que para 95% dos brasileiros não faz sentido mesmo. No podcast poderiam traçar esse público logo no início dizendo quanto que a pessoa tem que ter de gasto mensal no cartão para começar a valer a pena todo esse esforço. Eu acho que a pessoa precisa ter uma renda de pelo menos 20k e gastar uns 10k no cartão pra valer.

Aí eu pergunto: quem tem essa renda absurda PRECISA se preocupar em juntar pontos pra viajar? Precisa trocar milhas por panelas da Tramontina?

Eu sou time Mobilon e prefiro não perder meu tempo com essas coisas.

6 curtidas

O outro convidado começou a entrar nisso, falando de perfil, mas não completou o assunto. Era isso!
Tá cheio de gente por aí com Nubank com limite de 200 reais ou menos.
O perfil citado no podcast é muito, mas muito específico!

Panela superfaturada, como eles disseram no início do episodio…:smiley:

Outro dia fui no supermercado, comprei 2 cocas e um saco de pão de queijo. A mulher do caixa me disse q eu tinha xxx pontos num plano qualquer e perguntou se eu queria trocar - a compra sairia de graça. Aceitei (nem sabia do q se tratava pois não ligo pra isso). Mas depois fui olhar, ela trocou uns 1000 pontos do tal programa, por uma compra de 30 reais. Não estou pedindo pra esse tipo de coisa ser 1 pra 1 - jamais seria. Mas a conversão é muito desfavorável e essa gamificação (é assim q fala?) só ilude o consumidor.

4 curtidas

Precisar não precisa, mas já é uma economia pra eles. Lembro do meu ex patrão que viajava direto pelo Brasil visitando clientes, as passagens claro compradas por CNPJ, mas na hora de ir pra fora ele usava essas milhas acumuladas de viagem e provavelmetne cartão tbm.

Tem utilidade, só não é pra todo mundo qe nem os gurus financeiros querem dizer que é.

7 curtidas

Aí sim, isso é um caso muito específico e meu irmão também fazia isso pq voava muito e juntava as milhas no CPF dele, mas não é nem de longe a situação da maioria das pessoas e devido à covid esses viagens a trabalho reduziram absurdamente.

Eles dizem que é pra todo mundo, que todos podem conseguir um cartão bom hoje em dia e blá-blá-blá pra depois vender grupo fechado de mentoria. :joy:

3 curtidas

Sim, com ctz.

Aqueles posts mostrando 500 cartões. Falando que o nubank é o pior cartão pq não tem benefício nenhum e blablabla.
Pra no final fazer o q todo guru financeiro faz, vender curso.

Eu até me interessei no cartão XP q o @imhotep citou, mas eu não viajo, não gasto mto, então não vou usar nenhum benefíco relevante, vou só ter mais uma conta pra declarar IR.

5 curtidas

@igor_meloil , eu peguei esse da XP porque o meu banco veio cheio de mimimimi pra me oferecer o mesmo cartão (gastos mínimos, XXX de investimentos, etc., pra dar desconto de anuidade…).

1 curtida

Com certeza um caminho muito mais tranquilo essa da XP.

Muito acessível pra um visa infinite.

Imagino que qualquer bancão vá querer 15-20k de gasto mensal ou 150k investidos

3 curtidas

No Santander seriam 30 mil investidos ou gastos mensais acima de 7 mil reais.
Eu não tenho nenhum dos dois - meus investimentos faço todos em corretora (bancão só tem produto ruim) e nunca vou gastar 7 mil em um mês.
Detalhe: no caso de investimentos, só vale produto do banco, ou seja, não vale, por exemplo, ter uma reserva de emergência em tesouro direto - não entra no cálculo de 30 mil.

5 curtidas

E ainda pior do q eu imaginava, pqp

Cheguei ao entendimento de que esse negócio de milhas é interessante pra quem vive disso (como é o caso dos entrevistados). Sinceramente, quem tem tanto tempo pra ficar fazendo tudo o que os caras recomendaram? Eles fazem porque é o trabalho deles (inclusive com os grupos etc). De forma alguma é uma crítica a essa atividade, mas simplesmente é fora da realidade da maioria das pessoas.

7 curtidas

Concordo com os comentários anteriores. Acho um saco seguir todos os passos visando obter milhas.

O Bradesco já tentou me empurrar cartões com anuidade, porém sou do time que não gosta de pagar anuidade, até que um dia me aborreci com as insistências e resolvi fazer portabilidade do Bradescão para uma Fintech e como medida para me reter, me deram um Visa Platinum com um limite absurdo e anuidade free vitalícia. No começo desse ano o Platinum virou Signature e a isenção de anuidade se manteve.

Como segunda conta, uso o Banco Inter. Há muito tempo fazia parte de uma comunidade de investimentos que de acordo com as novas políticas de conceção do Black, se enquadrou e ganhei o Black.

Enfim, hoje utilizo o Bradesco Visa Signature e o Black do Banco Inter. O Visa Signature tem uma pontuação péssima (1 ponto por dólar), mas os benefícios Visa são excelentes, na minha opinião melhor que o Mastercard Black. O Inter tem o cashback de 1%, então vou alternando e utilizo o que for melhor na hora da compra.

2 curtidas