SpaceX reclama, mas Boeing consegue autorização para satélites de internet

1 curtida

Boring tem problemas maiores pra solucionar antes de lançar satélites de internet (cof cof Starliner!)

Pergunta idiotis, mas a como a Boeing vai mandar esse satélites pra órbita?

Mesmo se terceirizar pra Rússia/Cazaquistão, com um custo de quase 500 milhões de dólares por lançamento acho meio difícil competirem com o starlink.

Ela é sócio-proprietária da United Launch Alliance (ULA), junto com a Lockheed Martin. A ULA é gerida pelo Tory Bruno.

A Boeing provavelmente vai usar o Delta IV Heavy para lançar mais satélites que a SpaceX com o Falcon.

2 curtidas

Legal que até a Boeing já está trabalhando em colocar em prática uma rede de satélites de baixa órbita para internet, e o prometido Project Kuiper da Blue Origin (Amazon) não saiu do papel até agora!

1 curtida

Só se for com o Vulcan (dependendo do Jeff), por que até onde eu sei o Heavy já esta pra aposentar em 2023 com os últimos lançamentos já planejados.

Eles não podem aposentar o Delta IV Heavy enquanto o Vulcan não puder ser devidamente certificado e comissionamento.

O Vulcan tá atrasado, e dificilmente vai entrar em atividade em 2023.

Sim, culpa do Bezos.

1 curtida

Bom, seria muito Boeing mesmo continuar usando esse monstro extremamente caro.

2 curtidas

Cada lançamento de um delta iv eh estimado em quase 400 milhões de dólares versus o 50 milhões de dólares que custa um lançamento da space x.

Mesmo sendo sócia da ULA a diferença de preço é tão grande que, e minha opiniao, torna o projeto da boeing inviável.

Hoje já existem reclamações de pesquisadores do espaço de que a infraestrutura da Starlink já atrapalha a observação dos céus, se cada nova empresa que decidir entrar nesse mercado for usar infraestrutura própria talvez em algum momento isso inviabilize totalmente a pesquisa astronômica.

Os outros 15 corresponderão a satélites não geoestacionários, ou que seja, que acompanham a rotação da Terra

Esse trecho ficou confuso com o que o autor quis dizer. Se o satélite acompanha a velocidade de rotação da Terra, então significa que ele está sempre perpendicular a um ponto fixo na Terra, por tanto, é geoestacionário.
Parece ser um erro de tradução dos artigos.

Faltou um “não” antes de “acompanham a rotação da Terra”. Obrigado pelo toque.