Prisão feita após reconhecimento via WhatsApp é anulada por ministro do STF

Isso que é laxante bom!

Prender alguém baseado em reconhecimento de uma foto nem é culpa do whatsapp, é preguiça da policia em fazer o seu trabalho.

2 curtidas

Na matéria diz que também foram reconhecidos pessoalmente.

Uma hora depois do roubo, o suspeito foi abordado por policiais, que enviaram uma foto dele por WhatsApp para outros agentes que estavam com as vítimas. Elas o reconheceram, e o suspeito foi então encaminhado para a delegacia, onde foi feito o reconhecimento pessoal.

Os dois reconhecimentos, por WhatsApp e pessoalmente, resultaram na condenação do suspeito por oito anos, dez meses e 20 dias, por roubo à mão armada e em concurso com agentes — quando o roubo é praticado por mais de uma pessoa.

O que também não é grande coisa.

2 curtidas

O problema é esse aqui

Em decisão, Gilmar Mendes concedeu o habeas corpus protocolado pela AGU no STF. Para o ministro, o reconhecimento pessoal é viciado pelas fotos do WhatsApp.

Ao tu mostrar a foto do suspeito, e somente dele, tu acaba com a validade do reconhecimento pessoal, pois a vitima vai provavelmente apontar quem ela viu na foto, mesmo que não seja a pessoa que assaltou ela, por isso existe um protocolo muito bem definido sobre identificação de suspeitos, e ele deve ser mostrado junto de outras pessoas e analisada a resposta da vitima, se ela fica em duvida ou não de reconhecimento, além do que isso é somente uma prova circunstancial, se o criminoso for branco de classe média não passa mais do que alguns dias na cadeia antes de derrubarem a prisão.

E pelo jeito nem foram atrás dos bens da vitima para confirmar quem realmente praticou o roubo.

Ao meu ver o Brasil prende mal (provas circunstanciais somente) e solta rápido os criminosos que realmente foram condenados, além de demorar muito para julgar. Precisaríamos de julgamentos mais rápidos e penas duras pra quem for pego com provas materiais, além de copiarmos a questão dos acordos que fazem nos EUA, assim desafogando o judiciário, se o cara pode pegar 30 anos, oferece dele pegar 15 ou 20 e não ter julgamento.

4 curtidas