Por que o uso de reconhecimento facial na segurança é controverso?

Originally published at: Por que o uso de reconhecimento facial na segurança é controverso? – Brasil – Tecnoblog

Enquanto avança no Brasil, reconhecimento facial para segurança pública é questionado por riscos sobre privacidade

Eu sinceramente sou a favor dessa medida. Mas somente tempos necessários. Por exemplo, Brasil há um fato que ocorre em época de eleições. Candidatos são mortos, sequestrados, atacados…etc e isso gera uma questão de quebra democrática, digamos. Eu sou a favor da implementação destas “averiguações” faciais nesta época. Claro, para quem quer fazer maldade, infelizmente arrumam um jeito. Mas imagina se isso ocorre e o acusado é reconhecido. Outra coisa, são os atendimentos; Digamos que você entra num hospital, a sua ficha aparece instantâneamente. Não vai precisar ficar no balcão e dar suas informações e gerar fila. Enfim… distribuição de alimentos, de vacinas… Eu acredito que haja uma imensa possibilidade, o negócio é saber usar.

1 curtida

É controverso porque para funcionar a contanto é preciso de uma base de dados. E o problema começa aí, o cidadão precisaria dar consentimento para essa coleta. Igual você cadastra sua biometria, cadastraria seu rosto.

Porém não é assim que o uso dessa tecnologia foi concebido, ela não foi pensada para ser algo passivo, mas ativo e adaptativo.

A nível de governo seria uma camada extra, para comparação passiva, uso das forças policiais, militares … Isso em si já seria de grande ajuda se atualmente funcionasse dessa forma para a biometria, mas esse grau de compartilhamento de dados é bem rudimentar.

A vantagem da biometria facial começa a se ressaltar quando ela transpõem barreiras físicas. Para achar um criminoso bastaria programar as câmeras de vigilância, dotadas de AI, para vasculhar por um indivíduo específico, em meio a multidões em shows, ou mesmo na rua. Isso já é realizado na China, porém na China não existe liberdade, democracia… Então fica bem fácil por esses programas de vigilância em prática.

Quando a gente tenta adaptar isso para um modelo ocidental de uma sociedade livre, com direitos e deveres pré definidos, não flui tão bem.

Os questionamentos sobre privacidade, armazenamento e compartilhamento de dados, bem como a proteção dos mesmos, são levantados. E em muitos casos não há respostas ou legislação atual sobre.

Como falei anteriormente, implementar mais uma camada não é o desafio. Mas se quiser usar ativamente essas dados, cruzar com câmeras de vigilância inteligentes, aí teria que buscar base legal para isso. Acho que o melhor caminho seria uma consulta pública (o problema seria se resolverem politizar o tema).

Para chegarmos a um consenso do que é melhor, vamos precisar de muitos especialistas envolvidos, e anos debatendo, e não de um bando de político da época que os dinossauros pisavam na terra, decidindo sozinhos.

Também acho controverso. Considero impossível implantar um sistema eficiente desse sem uma boa dose de autoritarismo. Sempre haverá uma camada da população insatisfeita, e errados não estão.

Este tópico foi automaticamente fechado após 92 dias. Novas respostas não são mais permitidas.