Geração Z não se sente atraída por empregos no mercado de TI

Com as perspectivas e carreiras cada vez menos atraentes, e empresas cada vez menos respeitando deireitos de trabalhadores, me surpreende que os millenials já não tenham tido essa percepção antes hahahaa

13 curtidas

Título original da fonte do artigo:
“Exasol research suggests data science careers aren’t making young people Tik”
Subtítulo:
“Half (49%) of young people fail to consider data science as a career option”

A pesquisa citada não é sobre mercado de TI, é sobre data Science. Fiquei bem perdido quando li o artigo

12 curtidas

Estão certos. Área super estressante. As vezes dá vontade de jogar tudo pro ar e ir trabalhar com algo ligado a natureza.

7 curtidas

Sim, essa generalização não faz sentido nenhum.

2 curtidas

Toda geração de 16 a 21 anos é desanimada com alguma coisa.
Eu, com 16, só queria jogar bola e arrumar treta com as colegas de escola.
Só fui pensar mesmo em algo pra fazer da vida na época do vestibular (véio).

Mas falado do texto, falta a compreensão maior do que é a ciência de dados, q nada mais é do q resolver problemas, procurando possíveis soluções no meio de um monte de informações.
As pessoas pensam apenas na questão técnica (programação) e que é sim importante, pois é o ferramental q vc tem para resolver os problemas. Mas isso é fácil de resolver e aprender. Me parece mais é falta de interesse em correr atrás. Ninguém vira um bom profissional de programação da noite pro dia.

Quanto a salários, o problema é exatamente o mesmo desde sempre…todo mundo começa de baixo…e depois deveria correr atrás do próprio caminho e não se contentar apenas em trabalhar para o sonho de terceiros.

3 curtidas

Dizendo como millenial, posso dizer que a gente ainda tava confiante de que a área ia bombar e por equivalência, seus trabalhadores iriam ser bem remunerados.
Hoje, vendo TI ter sido popularizado cargos com salários decentes reduzidos a poucos e metas cada vez mais estapafúrdias, posso dizer que nossa expectativa deu xabu.

4 curtidas

Olha, eu não digo que “não correr atrás” é de todo verdade, ainda mais que sou dessa área onde o valor da proatividade está cada vez sendo mais minado em prol do QI (Quem Indica). É que simplesmente a relação “esforço x remuneração” não anda sendo mais atrativa, isso mais porque o custo de vida em 2021 se tornou extremamente estapafúrdio.

Sendo um millenial que anda mais frustrado como as coisas andam na minha profissão, não consigo tirar a razão deles.

4 curtidas

Esse é um problema realmente. Em todas as áreas…
Eu achava q fazer um bom trabalho era suficiente.
Durante muito tempo não me preocupei com networking, mas networking verdadeiro, aquele q te traz resultados concretos no futuro. Isso minou a minha carreira um tempão e foi difícil correr atrás do tempo perdido…
Tá certo q não dá pra exigir q um adolescente de 16 anos saiba jogar a política das empresas, mas é bom sair um pouco da casinha meramente técnica e investir tb no relacional.

3 curtidas

E pra isso a gente ainda tem um logo caminho. Numa sociedade que ainda acha que os problema graves em relação a capacidades emocionais e sociais são “pouca coisa”, imagina pra essas relações do dia-a-dia pra quem ainda não tá pancada da cabeça?

4 curtidas

Eu gosto de trabalhar na área, e tenho a impressão que os salários aumentaram. E notícia assim é relativamente um “bom sinal”, porque já precisa de gente, vai precisar de mais, então a tendência é a escassez fazer terem que oferecer mais benefícios e mais salário ainda :sweat_smile:

1 curtida

Será que não teria um motivo pra isso? Tipo… sei lá… serem profissões mais especificas que quase não se fala fora da turma de TI? hahaha

1 curtida

Data science é “uma área” de atuação forte de vários profissionais não-TI - astrofísicos, urbanistas, geógrafos, geólogos, algumas engenharias, estatísticos, médicos, dependendo do segmento de atuação.
Apesar de o nome remeter a quem é efetivamente profissional de TI, data science hoje é campo de atuação de muita gente.

Vixi. O nome me parecia alguém que lide com big data, banco de dados e etc. Hahaha
Mas de qualquer jeito, não é uma profissão que eu conhecia.

1 curtida

Sim, todos esses q citei trabalham com grandes quantidades de dados.

Esse papo furado de “falta profissional” já rola desde o início dos anos 2000 quando me formei. Nao falta profissional, a remuneração que está errada. A prostituição do profissional de TI no Brasil levou a esse nível baixo de oferta salarial. Minha dica é saia do Brasil como fiz no início do governo Lula. Hoje ganho $110 por hora e não sou gênio e nem trabalho com programação nenhuma só gerencia de ICT “mecânico de TI”

4 curtidas

Não ficou legal o título, comparado com o texto. Quem trabalha com TI sabe que a área está longe, muito longe de se resumir a data science. Tenha cuidado porque pode ficar parecendo clickbait.

3 curtidas

Área extremamente estressante e exaustiva. Uma pressão constante por produtividade que nenhum gestorzinho faz em comparativo com as equipes de devs. Lembre-se se vc sonha em ter vida social fora da caixa(pc) esqueça. Passam-se anos e a cada dia surgem milhões de coisas novas e inovadoras que irão revolucionar o mundo no fim são só mais coisas que vc tem que aprender, lembrando que este aprendizado raramente vem no horário de trabalho e sim nas suas horas de descanço e finais de semana e feriados, superiores tem odio velado de vc pois raros os que programam uma linha de código e te consomem sem nenhum tipo de humanidade ganhando 5x mais pra ficar olhando gráficos de tabelas e vomitando fórmulas magicas de sucesso de gestão, se perdendo na mentira utópica que geram algum benefício concreto nas empresas. Salário, não vou nem comentar… principalmente em início de carreira, lembrando que esse início por mais que vc seja um gênio, vao te explorar por bons anos, até vc chegar digamos em 1/3 do salário de um médico em início de carreira.

5 curtidas

Eu trabalho que com TI (e gosto muito) não teria o menor interesse em fazer nada relacionado a data science.

O título dessa matéria realmente não ficou bom. É algo como dizer que a geração Z não está interessada em medicina porque na pesquisa eles disseram que não têm interesse em pediatria.