Facebook classifica post negando aquecimento global como "opinião"

Originally published at: https://tecnoblog.net/352869/facebook-classifica-postagem-que-nega-aquecimento-global-como-opiniao/

Conteúdo de opinião não tem passado por checagem de fatos no Facebook e isso pode servir de “brecha” para desinformação

1 Curtida

A que ponto chegamos, rs… Grupos que desconhecem como a ciência funciona, ou mesmo que nem de perto desconfiam o que seja essa tal coisa, pressionam uma rede social - a qual elegeram entidade promotora da verdade, a denunciar como falso aquilo com o qual não se alinham, ou simplesmente não acreditam. É preciso deixar claro que não existe nenhuma PROVA CIENTÍFICA de que o CO2 influi sobre a temperatura da Terra. Até ONDE A CIÊNCIA É CAPAZ DE INVESTIGAR, por enquanto, é apenas uma hipótese carente de provas e desmentida por vários períodos onde o nível de CO2 se elevou bastante na atmosfera e mesmo assim a temperatura permaneceu estável ou caiu. Logo, a menos que a tal Climate Feedback consiga provar que o CO2 eleva a temperatura no planeta quem deve ter o carimbo de entidade validadora suspenso é a própria agência. Não existe verdade absoluta em ciência, tudo é circunstancial.

4 Curtidas

Parece que esse comentário foi feito em 1920 KKKKKKKKKK Feliz 2020, colega. Já existe várias comprovações e fatos sobre isso. E não, a ciência não depende das circunstâncias quando algo já está provado.

11 Curtidas

Então, páginas que defendem a Terra Plana e outras pseudociências serão opinião no Facebook???
Isso é danoso demais.

5 Curtidas

De acordo com o Michaelis:
COMPROVAÇÃO; sf
1 Ação de comprovar; comprobação.
2 JUR Prova apresentada juntamente com outra.
3 JUR Ação de evidenciar a verdade através da apresentação de mais de uma prova.

Se em 2020 mudou, ou se tens estes dados que ninguém possui, favor apresentar. rs…

Em tempo, em 2018, especula-se que a emissão de carbono pelo homem foi de 37 bilhões de toneladas,; digo especula-se, porque a metodologia não é uniforme para esses medições; entanto, os fluxos naturais de carbono (COMPROVADOS) entre os oceanos, vegetação e solos (incluídos vulcões, inativos e ativos sem erupções) somam 200 bilhões de tonelada por ano.

Agora esteja à vontade para apresentar seus dados; ou alinhe-se aos grupos de pressão que classificam tudo que não entendem, desconhecem ou não acreditam como fake news.

1 Curtida

Mais perigoso é acreditar em redes sociais que são manietadas pelos administradores como comprova a recente invasão do twitter. rs

Um “silêncio” feito com muito gosto.

E só pra lembrar:

8 Curtidas

Eu não sei em que pé está o estudo sobre comprovação empírica da relação entre CO2 e aquecimento global, mas uma pesquisa rápida aqui me mostra que, nas publicações científicas, há um consenso grande de que existe aquecimento global E que a causa é antropogênica.
Fontes:
- Reply to ‘Quantifying the consensus on anthropogenic global warming in the scientific literature: A re-analysis’ (confirmam que o consenso gira em torno dos 97±1%).
- Quantifying the consensus on anthropogenic global warming in the scientific literature (encontram um consenso de 98% analisando o abstract dos artigos, além de apontarem que há um grande volume de artigos que não se posicionam no abstract, situação esperada quando há um consenso sobre um assunto, já que o foco dos cientistas passa a ser perguntas onde há debate. No caso, não há mais debate sobre o aquecimento global sendo causado pelo homem)
Scientists Reach 100% Consensus on Anthropogenic Global Warming (é o mais recente que encontrei, mas é meia-boca)

Então eu diria que os cientistas estão de acordo de que o aquecimento global existe e que é causado pelo homem.

Agora, isso quer dizer que existe evidência empírica dissol?
Não necessariamente.
Mas isso não é necessário para que haja um consenso e que a ciência aceite esse consenso como sendo uma verdade até que o contrário seja provado (ou até que essa verdade passe a entrar em conflito gritante com a realidade).
Exemplos não faltam. Os bósons de Higgs, por exemplo, foram teorizados lá nos anos 60 e só foram provados de fato recentemente. Nesses 50 anos de intervalo, eu imagino que a existência dessa partícula não só foi aceita, como a ciência avançou considerando que essa partícula existia.

Ou seja, não é necessário que haja evidência empírica para uma hipótese fazer parte de um paradigma científico (no termos kuhniano), e o paradigma atual da ciência climática parece ser que o aquecimento global é real e causado pelo homem. E eu suponho que seja esse consenso que o FB levou em consideração.

Óbvio que esse ser o paradigma não significa que seja correto. E existem cientistas que não aceitam esse paradigma e tentam provar o erro desse paradigma e mudá-lo.
Por hora, ainda não conseguiram convencer a maioria.

(Dá pra debater sobre os riscos do consenso científico e como isso pode dificultar pesquisas contrárias ao consenso, já que tais pesquisas teriam muito mais dificuldade para conseguir financiamento e tal, mas isso é outro bicho.)

2 Curtidas

no caso de bosons de higgs, cientistas não tinham uma hipótese testável? não é porque é uma hipótese que se deve descartar sua validade – é de várias hipóteses que não conseguem ser falseadas que se faz uma teoria científica. não é como se cientistas não tivessem motivos para acreditar que bosons de higgs não existissem. afinal, raciocínio indutivo e abdutivo tbm são importantes para a ciência. a mesma coisa foi com as ondas gravitacionais, não? é como se eles tivessem um mapa de tesouro – eles só precisavam de o seguir.

além disso, o caso de mudança climática é diferente. há sim evidência empírica de mudança climática causada por humanos. não só isso, evidência empírica contrária é bastante fraca, e aceitá-la como tão válida como evidência empírica que apoia a atribuição de que mudança climática recente seja causada primariamente por humanos.

no entanto, eu entendo o seu ponto. afinal, a gente não devia acreditar necessariamente em cientistas pq eles são cientistas. isso é falacioso (apelo a autoridade), e potencialmente ruim, pq cientistas tbm são pessoas, e pessoas são enviesadas – ninguém, nem mesmo cientistas são 100% neutros, e isso afeta ciência. por outro lado, não significa que devíamos ignorar tudo que cientistas dizem – eles ainda são autoridade sobre o assunto, especialmente em comparação a pessoas leigas – e existem meios de evitar/reduzir ao máximo viés de cientistas em investigação científica (o método científico, embora não perfeito, é um deles. revisão por pares também.)

1 Curtida

EXATAMENTE. Que existe um aquecimento é quase um consenso, agora que ele é antropogênico já é algo bastante questionável e pode ser QUESTÃO DE OPINIÃO SIM, dependendo do estudo que vc analisar. Facebook está certo. Vergonha do viés ideológico dessa publicação, mas vindo do NYT, não era de se esperar algo muito diferente.

1 Curtida

Burro é quem não debate e aceita tudo o que te empurram goela abaixo sem questionar, tipo ler essa notícia muito mal escrita e aceitar sem questionar nada. Que existe aquecimento global é um fato, mas se ele é antropogênico está longe de ser um consenso.

Que texto mal escrito, criticando o Facebook sendo que ele está certo. Que existe um aquecimento é quase um consenso, agora que ele é antropogênico já é algo bastante questionável e pode ser QUESTÃO DE OPINIÃO SIM, dependendo do estudo que vc analisar. Facebook está certo. Vergonha do viés ideológico dessa publicação, mas vindo do NYT, não era de se esperar algo muito diferente.

Como apontei no meu comentário, parece sim haver consenso dentro da comunidade científica de que o aquecimento global é antropogênico.
Ou seja, a grande maioria dos artigos científicos publicados consideram esse fato como dado e essa é a linha que a agência de verificação provavelmente utiliza.
Novamente, isso não quer dizer que não eixstam estudos tentando mostrar que o aquecimento global não é antropogênico, mas sim um processo natural, mas nenhum deles ganhou apoio suficiente pra conseguir mudar o consenso (e volta pro ponto que eu fiz sobre consenso e a dificuldade que sua existência pode ser pra mudança, mas, de novo, esse é um outro debate que foge do escopo da matéria).

E, de acordo com a matéria, a publicação que o Facebook classificou como “opinião” é uma publicação que nega a mudança climática além de defender que “as emissões de carbono não prejudicam o planeta”.
A primeira parte já vai contra o consenso científico e você mesmo deve concordar com isso, já que a negação é do próprio fenômeno e não da causa.
A segunda parte eu realmente não sei aonde está a ciência, só posso supor que haja consenso também que emissões de carbono são prejudiciais.

Se nós formos basear tudo em estudo científico estamos lascados… Basta ver quantas vezes o ovo já virou e deixou de ser vilão na alimentação, quantas vezes a propagação da Covid pelo ar foi negada e afirmada, quantas vezes infectados com coronavírus assintomáticos propagaram e deixaram de propagar o vírus, e assim por diante. A lista é enorme. Tudo é verdade na Ciência só até sair o próximo estudo. Não acho que censura seja a resposta, mas a Educação. Não se sacrifica a liberdade de pensamento e expressão em prol de “verdades temporárias”.

Sinceramente eu considero isso uma censura. Mesmo que o texto fugisse do “consenso científico”, agora temos que viver nos informando através de “agências de verificação”. Santo deus, quem quer viver num mundo em que um grupo de jornalistas define o que é consenso ou não. Acho que essas verificações devem existir para impedir que difamações aconteçam, acusações sem provas para prejudicar determinada pessoa ou público. Agora publicar algo que vá na contramão do senso comum vai ser proibido?

Você ter uma opinião diferente a respeito do aquecimento global (por exemplo) não te dá liberdade de jogar lixo na rua, poluir o meio ambiente como se não houvesse amanhã. As pessoas interpretam errado as coisas e querem terceirizar a culpa dos problemas do planeta em cima de alguém. Muita gente que engole um monte de conversinha mole de aquecimento global mas não faz nem ideia de como a alface que comeu no almoço chegou na sua mesa. Essas são as pessoas que querem ditar as regras do que pode ou não pode ser publicado no Facebook… rsrs.

Falasse TUDO! O que incomoda é ver tanta gente defendendo “agencias de verificação”. Um grupo de jornalistas (sempre de um grupo enviesado) decidindo o que é pode e não pode ser publicado sobre assuntos (estudos científicos) que NÃO SÃO preto ou branco. O pior de tudo é que esse tipo de “censura bonitinha” só vai piorar o aumento das verdadeiras fake news.

1 Curtida

@Enyawbruce
A ciência muda conforme novas descobertas são feitas.
A ciência se permite (na verdade, se exige) isso, que nada seja não falseável. A partir do momento em que se decide que algo da ciência não é falseável, ela deixa de ser ciência (claro, isso no campo da filosofia da ciência). Exemplo clássico disso é a psicanálise de Freud. Karl Popper usa exatamente o Freud como exemplo de não ciência porque nada é falseável ali.

E algumas áreas do conhecimento são mais complexas do que outras ou com novos métodos sendo desenvolvidos o tempo todo, o que acaba permitindo a atualização do conhecimento constantemente.
Isso normalmente é o caso com novas áreas, como é o caso do COVID-19. É óbvio que o que se sabe e o que se acredita vai mudar muito nesses primeiros momentos. Não se passou nem um ano que os cientistas estão estudando esse vírus, é de se esperar que as recomendações mudem.
Eu acho que a própria OMS falou isso, que eles divulgam as orientações baseado no que a ciência sabe até o momento, e que essas orientações vão mudar conforme o que se sabe sobre o vírus evolui.
Nesse momento há consensos sobre algumas coisas relacionadas ao COVID-19, e um dos consensos é de que ainda se sabe muito pouco a respeito e que mais estudos precisam ser feitos.

@ricardoteixeira
O consenso científico não é definido por “um grupo de jornalistas”, ele é definido pelos próprios cientistas a partir de seus artigos científicos.
O que o “grupo de jornalistas” pode fazer é decidir se vai seguir ou não esse consenso científico. No caso da agência de verificação que o Facebook utiliza, a opção parece ter sido seguir esse consenso.

E ser proibido ou não publicar algo que vai na contramão do senso comum ser proibido ou não não cabe a mim responder.
No caso do Facebook, a empresa tem toda a liberdade (em tese) pra definir se vai proibir ou não e você tem toda a liberdade (em tese) de cair fora se não concordar. Bem vindo ao capitalismo.
Fora que senso comum e consenso científico são duas coisas bem diferentes.
No meio científico, publicar algo que vá contra o consenso científico não é proibido. Na verdade, se a publicação for bem embasada, pode ser o gatilho pra começar a mudar o consenso. (Novamente, tem o debate sobre a eficácia, já que com consenso, pode ser difícil conseguir apoio para pesquisas contrárias)

Faço nem ideia de onde saiu essa afirmação, mas beleza.

1 Curtida

Você está falando de consenso cientifico onde não há.

Sim o Facebook tem liberdade de decidir se vai publicar algo ou não e isso nem está em debate aqui. Ao meu ver o Facebook está certo, o que eu estou criticando é a forma que a notícia foi publicada, sem ouvir de forma igual os dois lados, já categorizando o Facebook de errado e certo as “agencias de verificação”.

“Por outro lado, o mesmo empenho não é notado com relação a outro assunto que frequentemente é alvo de desinformação”

Minha critica foi a essas 2 linhas onde não houve DESINFORMAÇÃO e não deve haver esse “EMPENHO” também. Pontos para o Facebook nessa.

Como assim?