Empresa copia arquivos íntimos de funcionário e é condenada em R$ 40 mil

E será que o funcionário tinha a opção de não usar o seu notebook pessoal para o trabalho e a empresa fornecer um?
É muito facil alegarem que o funcionário não protegeu a sua privacidade quando na verdade ele foi obrigado a usar o único computador que possuía para o trabalho.

1 curtida

Que patifaria! O cara não pode ter arquivos PESSOAIS no seu PRÓPRIO notebook? Que empresa de merda! Essa condenação deveria ser de uns 200K+.

2 curtidas

“deixou de proteger sua própria privacidade quando usou o computador pessoal para o trabalho”

E a empresa forneceu o notebook corporativo para o cidadão? Se não, deveriam dobrar a indenização…

Bem, ninguém é obrigado a ser um “expert” em informática, mas se o cara gosta de produzir conteúdo +18, o mínimo que se espera é que ele tenha uma pasta criptografada no computador especialmente para armazenar esse conteúdo. No YouTube tem diversos tutoriais ensinando como fazer. O VeraCrypt por exemplo, é uma ótima ferramenta gratuita que resolveria o problema, pois mesmo que a empresa fizesse o backup dos arquivos, jamais teriam acesso ao conteúdo.

Andar por aí com o notebook pessoal recheado de arquivos íntimos, sem nenhum tipo de proteção, além de ser perigoso por causa de assaltos, é ser, como dizem por aí… Muito “vida loka”!

1 curtida

Gente. Essa questão é tão absurda que por mim essa empresa tinha que ter tomado um ferro triplicado, ao invés de ter sido pela metade.

Pra mim isso é irrelevante. Ainda que a empresa disponibilizasse um aparelho corporativo, se há a opção do funcionário usar seu equipamento pessoal, isso não dá direito à empresa de ter qualquer tipo de poder sobre aquilo que não é de caráter estritamente funcional.

Quer uma analogia? É como permitir que o funcionário use seu veículo pessoal para trabalhar mas pedir que ele preste contas de onde está com seu próprio veículo 24h por dia, 7 dias por semana. É ridículo, incabível, idiota, não faz sentido algum.

A justificativa da empresa é ridiculamente pífia. Ela não tem que fazer backup de um aparelho pessoal inteiro por causa de arquivos corporativos, mas sim solicitar ao funcionário que disponibilize todos esses arquivos no ato do seu desligamento, sob sua responsabilidade e sujeito a quaisquer penas cabíveis caso se recuse ou retenha para si parte desses arquivos.

Concordo que, colocando a questão do vínculo empregatício à parte, é de fato um risco que o cara corre ao andar com notebook por aí com quaisquer arquivos pessoais, independentemente da sua natureza.
Entretanto, o que você disse é transferir a culpa do crime à vítima e não acho que vem ao caso. Como eu disse acima, se a empresa permite o uso de um aparelho pessoal, o direito que ela tem nesse aparelho se restringe tão somente aos arquivos produzidos durante o desempenho do trabalho, não sobre arquivos pessoais.

Seria uma questão completamente diferente, por exemplo, se o computador fosse corporativo e o funcionário tivesse decidido, por livre e espontânea vontade, armazenar arquivos pessoais nele.

3 curtidas

Acho que não me expressei de forma clara aqui, ao meu ver a empresa é duplamente culpada se obrigou o funcionário a usar o notebook pessoal para trabalhar, se não foi escolha dele usar o notebook pessoal, ao não fornecer um notebook para ele trabalhar.

pelo que entendi da situação ele não colaborou inicialmente com entregar os arquivos da empresa, isso pode ter piorado a situação. Se eu fosse o gestor de TI até teria copiado todos os dados, mas imediatamente e sem permitir acesso de mais ninguém teria salvado o que fosse relevante a empresa e apagado todo o resto, assim o assunto não se espalharia.

2 curtidas

O que tu se engana nesse ponto é: se a empresa não fornece um notebook, o funcionário é obrigado a usar device próprio. A empresa não pode, nem deve forçar o uso de equipamento próprio para trabalho. Se ela fornece equipamento corporativo, esse equipamento é de uso exclusivo do trabalho, não podendo ter coisa pessoal.

Esse equipamento deve ser cuidado e devolvido ao fim do contrato ou do prazo de empréstimo.

Humrum … Se alguém quisesse roubar dados, era só fingir que não tinha.
Nem todo mundo é honesto. O problema é que eles não poderiam ter copiado os dados de um notebook pessoal desta forma.

Entretanto, o que você disse é transferir a culpa do crime à vítima e não acho que vem ao caso. Como eu disse acima, se a empresa permite o uso de um aparelho pessoal, o direito que ela tem nesse aparelho se restringe tão somente aos arquivos produzidos durante o desempenho do trabalho, não sobre arquivos pessoais.

Sim, concordo que realmente a empresa não tem nenhum direito sobre os arquivos pessoais do funcionário. De fato a empresa errou e mereceu ser punida, mas bem que o cara poderia ter sido mais cauteloso, ainda mais com arquivos dessa natureza. Evitaria todo esse constrangimento de ter sua intimidade exposta. Mesmo o notebook sendo dele, ele vacilou em deixar tudo lá acessível para qualquer um. Nunca se sabe quando nossos gadgets cairão em mãos erradas, não é mesmo?

Acho que encerra aí. O questionamento seria outro, se a empresa tivesse lhe dando um notebook pra trabalho e ele tivesse armazenado arquivos pessoais nele, aí sim a situação poderia ser vista de forma diferente, com relação ao descido dele.

Complicado!

Eu usava meu computador pessoal para trabalhar, mesmo a empresa fornecendo um computador, porém com o desempenho bem inferior. Assim que começaram a instalar softwares de monitoramento e de segurança, decidi que ñ iria mais usar meu computador para trabalhar para a empresa.

Fica a dúvida se a empresa fornecia o equipamento para tal, mas pela as alegações, parece que ñ.

Este tópico foi automaticamente fechado após 92 dias. Novas respostas não são mais permitidas.