Em 10 anos os smartphones explodiram, o mesmo acontecerá com produtos IoT?

Nos últimos dez anos vimos a ascensão dos smartphones. Pessoas que tinham medo de se aproximar de um computador, acabou cedendo aos smartphones e hoje assolam os grupos do WhatsApp com mensagens de “bom dia”.

Deixando a brincadeira de lado… Os produtos que se conectam a casa podem ter o mesmo sucesso dos smartphones? A Xiaomi até então é a empresa que mais investe na área, mas a Amazon e a Google é quem briga pelo melhor assistente.

Nos últimos dois anos tenho visto no AliExpress uma série de produtos relativamente baratos, que são compatíveis com o Google Home e Echo Dot, isso de certa forma acaba despertando um lado consumista em quer modernizar tudo que pode… E partindo dessa linha, é possível que essa tendência chegue com força no Brasil? Temos a Positivo que investe na área, mas não é uma marca que as pessoas confiam muito.

para pegar mesmo só se tudo que é eletrônico já saísse de fabrica com suporte a assistentes sem aumentar tanto o preço. Até tem aquelas tomadas inteligentes, mas elas ao meu ver são inúteis, pois por exemplo, mesmo que eu ligue uma cafeteira de capsulas nela a cafeteira não vai fazer o café sozinho menso estando ligada.

1 Curtida

Acho que vai demorar um pouco mais já que envolve muito mais aparelhos e etc… além do preço que no Brasil ainda não é nada atrativo

Acho que em 5. As coisas estão acelerando. Lembre… Como era o “mundo tecnológico” 5 anos atrás? Acho que é uma tendência a se consolidar, e na verdade, sempre foi buscada essa “automação” de coisas do cotidiano, né?

1 Curtida

Acho que esse foi o segredo por trás dos smartphones.

1 Curtida

Uma maravilha esse mundo conectado, dia após dia vemos como o mundo está evoluindo colocando tudo em sincronia, porém acredito que as empresas deveriam elevar o nível de segurança assim como elevam as tecnologias, o mundo do cybercrime está cada vez mais a frente. O que acham disso?

Segurança por segurança, há bilhões anualmente sendo investido, mas tecnologia sem falhas é Claudinho sem Bochecha…

1 Curtida

Já é uma realidade “Beta”

Todo mundo tem celular, é fato que as empresas querem encontrar outro produto de “ouro” para os consumidores. Google, Amazon e Apple até formaram uma aliança para criar um padrão de comunicação para esses produtos de casa conectada:

4 Curtidas

Acho que só vai deslanchar quando o produto vier em default com IoT e não ser uma linha especial dentro daquele tipo de produto que possui IoT e seu uso for algo natural ou de menor esforço possível para ser adaptado ao cotidiano da pessoa/família.

2 Curtidas

É possível, mas só vai acontecer quando isso estiver embutido em produtos normais. O consumidor normal geralmente não quer saber de pagar mais caro só pra ter esses recursos. Se o produto que ele compraria normalmente já vem com isso, aí a história muda.

1 Curtida

Acredito que ainda vai demorar um pouco. Eu mesmo sou entusiasta de IoT e no cenário atual, você precisa de um conhecimento um pouco maior de tecnologia pra fazer realmente sua casa ser “Inteligente”. Eu mesmo penei pra fazer um painel com led que pega informações de um servidor com MQTT pra mostrar quando de energia minha geladeira está gastando. Tanto que matei esse projeto e o painel de Led acabou virando um display pra mostrar quantos seguidores minha filha tem no instagram. Pra mim o boom vai acontecer quando os eletrodomésticos mais acessíveis derem suporte a IoT e não vejo isso acontecendo em um curto prazo.

2 Curtidas

Mas seu caso específico, é algo mais radical, digamos que algo feito com as próprias mãos.

É porque justamente hoje a gente não tem a maioria dos dispositivos com inteligência. Então pra se ter um mínimo tem que fazer muita coisa na mão ainda. O boom vai rolar quando fazer na mão não será mais tão necessário…

Apesar de ser um Early Adopter nessa seara (tenho um Echo Show 5 e um Echo 3ª Geração, câmeras pela casa, 5 luzes smart da positivo e 1 da Yeelight, além de um Broadlink RC mini 3) acho que vai levar um bom tempo para a internet das coisas deslanchar no Brasil, primeiro pelo preço, segundo pela funcionalidades que ainda são bem supérfluas.

Exatamente. O smartphone é um produto completo, esse é o segredo. Hoje em dia, só não utilizo o smartphone para programar (embora seja possível).