Denúncias de neonazismo na internet aumentam 60% no Brasil e batem recorde

Infelizmente , segundo a antropóloga Adriana Dias, temos várias células neonazistas aqui no Brasil. Até aqui na minha cidade no interior de Sp, existe uma cerâmica cujo nome é 88, um nome bem suspeito.

2 curtidas

O mais irônico é ter pessoas no Brasil (América Latina) que seriam enviadas a campos de concentração, caso o Nazismo tivesse vencido a guerra, defendendo “isso”.

18 curtidas

Sabe o mais “engraçado”? O nazismo pregava a ideia de uma raça superior pura e o Brasil é, provavelmente, o país mais miscigenado do mundo. Ser neonazista e brasileiro é por si só contraditório.

15 curtidas

Isso pra ser gentil e não dizer q é burrice né

10 curtidas

E oque seria essa representação do 88?

Oitava letra do alfabeto , é o H.

88 - HH - Heil Hitler

Alguns grupos neonazistas , usam essa representação.

11 curtidas

Obrigado pela informação, não tinha conhecimento sobre isso. Mas tenho que concordar que os caras usaram de imaginação para bolar uma ideia dessa.

1 curtida

Interessante cortina de fumaça que coincidentemente joga pra debaixo do tapete a invasão de culto cristão por um comunista filiado ao PT.

7 curtidas

2022 e ainda estamos “discutindo” sobre nazismo (e alguns anencefalos defendendo publicamente).

Onde que fica o botão reset da Terra mesmo?

10 curtidas

Já apertaram, chama coronavirus, mas acho q ta meio ineficiente.

3 curtidas

O número 8 corresponde à oitava letra do alfabeto (H), e “HH” significa " Heil Hitler. “88” também pode ser uma referência ao ensaio 88 Precepts , escrito por David Lane, e ao trecho de 88 palavras do livro Mein Kampf .

4 curtidas

O mundo não é monotarefa, jovem. Dá de discutir os 2 temas. Apesar de ser ruim qualquer invasão de igreja (eu sou católico, e não vejo isso como invasão de um prédio qualquer, mas, por cima, vejo isso como uma demonstração de intolerância), não diria que é comparável, primeiro porque são atos de magnitudes diferentes (apesar de poderem estar no mesmo caminho) e segundo que não precisamos comparar, mas sim condenar os 2 atos (nazismo e esse ato específico de intolerância religiosa).

Um aumento de 60% de denúncias de neonasizmo é “apenas” um cortina de fumaça pra você?

16 curtidas

“O que ocorre é que muitas vezes alguns operadores do direito têm uma compreensão da liberdade de expressão que acaba, de certa forma, obstaculizando a punição desses crimes, que claramente não se situam dentro do campo da liberdade de expressão”

E a preocupação de que tais operadores se identifiquem com o tal discurso?

1 curtida

Ou seja, coincidência não é.

Julgar alguém pelo número 88 é BEEEEEEEM delicado. Pode facilmente ser o ano de nascimento do proprietário. Eu mesmo, tenho algumas camisas de futebol com o número 89 - nascesse um ano antes, ia ter o 88 também.

Recentemente, aqui em Curitiba criou-se uma treta porque um rapaz foi assistir uma partida do Athletico com a camisa escrito Nazi e o número 64 nas costas. Hostilizaram o cara na partida e divulgaram imagens dele na internet.

Resultado: Nazi é o nome dele, de origem árabe. E o número 64 é o ano do nascimento dele. Agora ele tá processando geral pela exposição equivocada.

Bem diferente do que está acontecendo nos últimos dias com a sequência de dog whistles (copo de leite, cenário de gravação de propaganda, ajuste na lapela, saudação, etc…). Porque aí claramente foge da coincidência.

8 curtidas

Sem dúvida.
O número deveria ser apenas um elemento a mais e nunca o único elemento e muito menos o elemento inicial de suspeita.
8 é o número da sorte na China, por exemplo.
88 é um número bem famoso na Nascar e em outras categorias de esporte automotivo.

88, por si só, é apenas um número. Par, não primo, palíndromo, pode ser representado como a soma de 3 quadrados (4² + 6² + 6²), é o sexto número que não muda se escrito de ponta cabeça (os outros são 0, 1, 8, 11, 69), é o primeiro número cujo quadrado tem todos os dígitos duplicados (88²=7744), enfim, um número interessante.

6 curtidas

Ainda bem que o dono da cerâmica não tem um opala 88.

Isso explica aquele povo que tem uma tara por ancestralidade e tradição, tendendo a ser argumento carimbado destes radicais. Brincando um pouco de História Contrafactual, se vivêssemos num mundo aonde o Reich teria vencido, aposto que essa galera estaria gastando as meias pra puxar árvores genealógicas, afim de provar seu pedacinho no clubinho ariano e assim conseguir uma vaga remunerada como minion do governo em expansão pelo mundo. Situação bem Dr. Evil de Austin Powers.

É o principio básico de um dog whistle afinal: de pegarem termos e símbolos absolutamente banais pro entendimento comum e usá-lo como símbolo oculto de sua causa enquanto não chama a atenção da sociedade ao redor.

1 curtida