ChatGPT não é “nada revolucionário”, diz líder de IA da Meta

1 curtida

Já sabemos o que acontecerá, né? Google fez o mesmo, meses depois: toma aqui, vamos lança 20 produtos para competir com o ChatGPT que nem demo e data temos ainda

Revolucionário mesmo é o flopverso da Meta.

6 curtidas

Afinal, nenhuma invenção científica é feita individualmente, muito menos de maneira repentina. No entanto, as razões do cientista são plausíveis: lembrar que, por trás do sucesso, há uma série de avanços significativos acumulados por várias empresas e pesquisadores por décadas.

Algumas vezes, especialmente na área de machine learning que é bastante nova, acontecem mudanças grandes e repentinas que “resetam” a área. O que ele quer dizer, é que o Chat GPT é uma aplicação de language models, não um conceito revolucionário como foram outros modelos (e.g. deep learning, convoluções, word embeddings e os próprios transformers) que tornam as soluções passadas ultrapassadas.

Para usar um exemplo manjado: seria mais a evolução de um iPhone para outro, do que dos Blackberry para o primeiro iPhone.

4 curtidas

Mas antes do ChatGPT tinha algum outro modelo que tivesse sido disponibilizado para o público geral, de maneira ampla e acessível? Porque eu que sou entusiasta de tecnologia nunca tinha visto, a gente só lê das coisas que eles fazem em laboratório mas não lembro de nenhuma oportunidade de poder testar de fato. Talvez seja esse o motivo de ter ficado “na moda”.

2 curtidas

Lider de AI da Meta:

em termos científicos não há revolução, em termos de software, obviamente. Quantos chats gpts vc viu serem disponibilizados? LeCunn é pesquisador, e realmente, como pesquisa GPT nao tem nada de novo! Logo, em minha opinião, sim, é uma transformação blackberry → iphone

Que nada. Flopverso fará sucesso no ano do linux. :V

Engraçado esse ser vir a falar assim. Ele trabalha* em uma empresa onde até onde sei não desenvolveu nada de revolucionário (e praticamente nada na verdade), pois os produtos ou foram copiados ou comprados.

Aí ele entra no assunto que ele disse que irão disponibilizar a sua ferramenta, mais uma vez outra cópia. Agora me lembrei do colégio “cópia mais muda a ordem das palavras”

*ele pode fazer algo de revolucionário com todo o recurso que ele possui.

Eu acho que é diferente porque foi mais uma questão de execução de produto, mas é um caminho que vários estão trilhando.

O LeCunn tentou um produto muito similar, mas era para o nicho acadêmico. As fraquezas desses modelos são inadmissíveis nesse segmento: no caso, dar respostas assertivas e erradas, incluindo invenção de informação.

O Chat GPT tem o mesmo problema, mas está sendo vendido como uso geral em que esses problemas são menos graves. O que faz muito mais sentido mesmo, apesar de eu ainda ter dúvidas da rentabilidade a longo prazo.

A execução pode matar ou fazer o produto, não estou dizendo que é pouco importante, apenas que era algo que dava para ver chegando.

2 curtidas

Ele é antes ou depois do ano do podcast?

Ano do podcast já passou até.

Ok pode não ser uma revolução mas pra quem é do “mundo normal” e usa a primeira vez fica maravilhado com as possibilidades, e no final é isso q realmente importa: fazer a diferença na vida das pessoas!

Se é algo tão “tranquilo” pq a Meta não saiu na frente e disponibilizou algo semelhante para os usuários antes da OpenAI ??

3 curtidas

No Brasil, o feed do Facebook foi revolucionário. Apesar de não terem criado o recurso, nem o feed infinito, eu credito o sucesso do Facebook no Brasil a ele. Isso eu dou meu braço a torcer, mas foi uma revolução “local” hahaha.

Para o público daqui, que tinha que ir em perfis de cada amigo no Orkut para ver as novidades (basicamente um acervo), saber das fofocas, você receber as atualizações dos amigos direto em uma página foi um momento “UAU”.

Porque a Meta é limitada as rede sociais.

Quem não é limitado já é o Google, assim que colocar isso no Google assistente, já era

Ohhh temos um Xerloque rolmes aqui!!! Ok “mega”, negocio é q na materia quem ta de mimimi é o cara da Meta.

É uma entrevista, não tem nada de mimi, a entrevista foi com ele que é alguém importante na Meta, assim que fizer essa mesma entrevista com os impotentes da Google, Microsoft, Apple, Tencent, etc. você vai ver que as empresas não seguem a mesma linha

Com certeza ele estava pensando no metaverso.
A diferença de um pro outro é que um funciona…

É o Ano do Linux + 1

Este tópico foi fechado automaticamente 365 dias depois da última resposta. Novas respostas não são mais permitidas.