Apple rebate UE: sideloading deixaria iOS tão vulnerável quanto Android

1 curtida

…download fora da App Store é ameaça à segurança de usuários

É obrigatório, por acaso? No Android isso é desativado por padrão, a propósito.

Ou a Apple está com receio de perder a fama de ter um aparelho limpo e livre de bugs em virtude da má utilização dos usuários?

Quando eu digo que o iPhone é um aparelho da Apple emprestado pro usuário usar, cheio de limitações, as pessoas acham um exagero.

14 curtidas

Que argumentação 10/10, nem parece que a loja da maça tinha Pokécraft com assinatura de 99 USD semanal.

5 curtidas

Que ela levava 30% por sinal em cima.

3 curtidas

A real é o medo de queda no faturamento que permitir apps de fora da Appstore vai trazer.

1 curtida

Ah… deixaria o iOS tão vulnerável quanto? Ele estaria habilitado por padrão e seria tão fácil de fazer que qualquer usuário faria? aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaahhhhhhhhh

Essa argumentação é um insulto à inteligência alheia…

Gente… eu não creio que a Apple tá mesmo fazendo essa argumentação. Amada, só dar a opção e aí faz quem quer.

1 curtida

Se a Apple acha que isso trás mais segurança pro usuario, eu acho valido manter o sistma operacional fechado.

Quer fazer o que quiser com o sistema operacional ? Vai pro Android. Ninguem é obrigado a comprar iPhone. Pronto.

Usuarios mais avançados que precisam de coisas especificas, sabem o que vão encontrar quando comprarem um iPhone. Se o S.O. não atende, vai ser feliz no Android.

E se fosse a Apple, ainda lançava uma interface proprietaria do MagSafe, tornando imcompativel os carregadores sem fio do iPhone com Android. Só pra matar de raiva os fã mimizento do robo verde :joy:

1 curtida

Essa argumentação implica que o usuário é burro e precisa da mamãe empresa pra protege-lo de ameaças. No entanto, ela falha justamente na indisponibilidade que usuários avançados gostariam de ter ao utilizar o iPhone e não o Android.

E que usuário Android vai se importar com isso? São os usuários Apple que tem que procurar soluções próprias da empresa, pq as demais geralmente são incompatíveis/limitadas :man_facepalming:t3:

1 curtida

Eu ri. Mas usuário, em geral, é burro mesmo.

E deixar claro que a Apple só tem interesse no bolso dos usuários? Jogar fora a imagem distorcida de empresa verde? hahaha não a Apple. Mas é divertido que a UE iria adorar isso hahaha

O que não é totalmente falso.
Você tem usuários dos mais diversos níveis de conhecimento e familiaridade.
Daí o que a Apple resolveu fazer foi nivelar todo o sistema para um nível mais baixo, tirando boa parte das responsabilidades e preocupações do usuário.

Eu acho que daí entra numa discussão de modelo de sistema operacional.
Estamos acostumados com o padrão que o Windows popularizou, que é uma empresa oferece o sistema e qualquer outra empresa pode oferecer softwares.
É assim no Windows, no Linux, acho que é assim no MacOS, no Android. No ChromeOS eu não tenho certeza (eu acho que é o Google que tem que aprovar a entrada na loja do Chrome ou algo assim), mas existe a opção dos webapps.
Já no iPhone a coisa muda e existe um porteiro.

Considerando que foi a Apple que desenvolveu o sistema, eu não vejo como necessariamente errado ela querer dizer quem entra e quem não entra no sistema. É diferente do que estamos acostumados, mas não é necessariamente errado.
Mas eu também acho que a partir do momento que ela diz quem entra e quem não entra usando o argumento de segurança e tranquilidade, a responsabilidade que recai sobre ela quando um usuário é vítima de algum evento causado por um agente que burlou a portaria é ainda maior.

3 curtidas

Isso n significa necessariamente abrir o SO ou transformá-lo em um Android. Pra isso, o iPhone precisa de APIs, mais acesso etc. Nenhum app, não conseguiria acessar configurações muito profundas, como acontece no Android, simplesmente pq o iOS não tem isso!

Tudo que iria mudar era só o local onde os usuários poderia baixar apps. Simples.

Ué, já é assim. Apenas o MagSafe original consegue atingir 15W de potência. Todos carregadores QI são limitados à 7,5W.

O problema não é que isso vai matar os fãs mimizentos do robo verde e sim os usuários de iPhone que, se quiserem recarregar seus iPhones sem fio com o mínimo de decência, precisam desembolar R$500, enquanto num Android vc paga R$80 reais numa base original da Samsung.

3 curtidas

A discussão é puramente comercial, afinal de qualquer forma o sistema viria com a loja padrão Apple Store, necessitando que o usuário liberasse tal bloqueio de app de terceiros. É a mesma coisa que acontece no Android…Tenho um Pixel, que se for tentar instalar um app de fontes alternativas, vai dar uma mensagem de bloqueio…necessitaria no modo desemvolvedor habilitar o desbloqueio.

1 curtida

Quando você compra o aparelho, ele é seu, mas o software não é, você apenas ganha permissão para usa-lo. Partindo desse ponto, a Apple não deveria ser obrigada por ninguém a permitir apps por fora de suas lojas.

Eu vejo isso sim como uma estratégia comercial, porém também é super válida do ponto de vista de segurança, já que as ameaças podem ser bem mais facilmente controladas ou eliminadas se burlarem algo. E sim, o público leigo tem maior quantidade e vulnerabilidade.

Para usuários avançados (e que também queiram se arriscar mais), existe o jailbreak, que libera o iOS de algumas amarras da Apple, violando o software por sinal. Não é algo fácil, mas existe e até pode trazer sobrevida aos aparelhos mais antigos da empresa.

Por fim, eu não tenho pessoalmente problema com essa limitação, mas posso ver alguma limitação caindo sobre os desenvolvedores que poderia ter apps com funções que hoje a Apple não deixa usar por motivos dela, mas aí volta no que eu disse, é direito da empresa, então joga-se conforme as regras.

Se o software não é meu, porém o aparelho é meu, então eu deveria poder rodar qual sistema operacional eu quisesse, CERTO? Se eu fosse masoquista, eu poderia querer instalar o Ubuntu Touch ou o aquele que eu não lembro o nome mas que vinha naquele smartphone caro que tinha Linux, por exemplo.
Ou seja, nem o aparelho é teu… hahaha (Mas isso é assim no Android tbm, com a diferença é que dá para trocar o ROM no Android e fazer o diabo)

1 curtida

Você pode, o aparelho é seu, agora se você consegue fazer isso é outro história. Já teve gente que conseguiu rodar outras coisas no iPhone além de iOS, mas é aquilo né, tudo gambiarra não funcional.

Não, entendo esses pontos, mas eles tem uns contrapontos bem chatinhos.

Primeiro que nem mesmo o Android tem essa facilidade pra instalar apps fora da loja, ou qualquer outra coisa, que requer um conhecimento um pouco maior. As opções de desenvolvedor são desabilitadas por padrão e a maioria dos usuários nem mesmo sabem onde fica. Se algum usuário mexe nessas coisas, ele já tem o mínimo de noção sobre segurança. O risco é dele e está nos Termos.

E depois, nem estou mesmo discutindo a questão de uma empresa ser obrigada a abrir o sistema. Estou falando é da boa vontade dela. E se não a faz alegando segurança, ela poderia fazer como já acontece no Android, mas com uma complexidade ainda maior (pra dificultar, e não impedir). A questão da segurança, pode ser facilmente controlada, mesmo com restrições nesse nível. E em se tratando de Apple, ela teria sim como fazê-lo, não o faz não só por questões de segurança, mas por outra razão. E aí entramos no ponto de questões comerciais.

E é aqui que o caldo engrossa pro lado dela. A Apple é uma empresa, visa lucro. Este, evidentemente, é o motivo maior que da segurança, sobre abrir o sistema.

E agora sim, eu poderia entrar no mérito de “se está jogando no quintal de alguém, deve seguir as regras”, pq essa mesma linha de raciocínio pode ser aplicada à própria Apple: se está num país, deve seguir as leis de lá. Ela não já faz isso, ao abrir o iCloud pro governo Chinês? Ela poderia muito bem tirar suas operações do país em troca de manter a segurança e privacidade dos usuários. Não o faz por quê? Dinheiro. E muito. Então, ela não tem o que reclamar de um bloco ou país a obrigar a liberar o sistema pra instalação de apps fora da loja. A menos, é claro, que isso irá afetar o caixa da empresa, mais do que a “fama de segurança e privacidade”.

Ate porque, se alguém argumenta: “quer mais liberdade? Vai pro Android”. Eu rebato: não quer perder a segurança? Só não abrir o sistema que a Apple ofereceria.

Conceitualmente falando prefiro o iOS do jeito que ele é: restrito ao cercadinho que a Apple criou.

Muito me oponho a um país ou bloco querer decidir como uma empresa deve tratar o software e até mesmo hardware. Essa história toda de anticompetitividade e monopólio não passa de uma desculpa para arrumar dinheiro fácil de empresa, com essa desculpinha de ajudar os pequenos.

O argumento de privacidade e segurança da Apple é só uma desculpa convincente que ela escolheu se agarrar. Em verdade mesmo, ela não quer abrir puramente por motivos comerciais, mas se ela usar esse argumento, aí sim que vão passar com o rolo compressor do estado por cima da Apple e de qualquer empresa que vise obter lucro criando diferenciais sobre seus produtos e serviços.

É algo bem pessoal, mas não vejo nada de errado em uma empresa que criou seu hardware e software decidir sobre todos os aspectos dessa experiência de uso. O único diferencial da Apple é justamente poder controlar ao máximo a experiência que o usuário tem dentro do cercadinho dela. E do lado dos devs, o ativo que a Apple oferece não é o hardware em si, mas sua base de clientes. E o jeito que ela encontrou de controlar esse fluxo externo, é passar tudo pela App Store. Inegavelmente isso é uma vantagem comercial, mas daí taxar de monopólio é um exagero.

Até daria para instalar, mas no momento que a Apple ficar sabendo que começaram à distribuir tal blasfemia à seus dispositivos divinos… provavelmente vem Cease and Desist. De novo.

2 curtidas